finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Fator técnico derruba preços do café na Bolsa de Nova York

Cenário:

ANGELO IKEDA, O Estado de S.Paulo

23 de novembro de 2013 | 02h04

Os futuros do café arábica negociados na Bolsa de Nova York iniciaram a sessão de ontem ampliando os ganhos da véspera, mas vendas motivadas por um fator técnico fizeram com que os preços encerrassem o dia com perda de mais de 3%. Durante o pregão, o arábica para março chegou a 112,00 centavos de dólar por libra-peso, o maior patamar em mais de quatro semanas. Porém, o mercado não conseguiu superar esse nível, o que desencadeou uma onda de vendas. Para analistas, a intensidade da queda não causou grande surpresa, e o mercado deve continuar pressionado pela oferta ampla enquanto não surgirem novidades que possam impulsionar os preços. O contrato com vencimento em março caiu 3,50%, a 107,50 centavos de dólar por libra-peso.

O suco de laranja ganhou 0,2%, com a proximidade da temporada de geadas nos Estados Unidos e a possibilidade de danos aos pomares da Flórida, principal Estado produtor do país. Por conta desse risco, investidores costumam adicionar um "prêmio climático" às cotações nesta época do ano.

Na Bolsa de Chicago, a soja avançou 2,2%, com sinais de demanda firme pelos estoques dos EUA. O governo norte-americano prevê que 39,5 milhões de toneladas serão exportadas na temporada atual, que começou em 1º de setembro. Desse total, já foram vendidas 35,5 milhões de toneladas, o que deve levar o governo a aumentar suas estimativas de exportação. Os EUA são o maior produtor e o segundo maior exportador de soja, atrás apenas do Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.