Fatos do momento voltam ao radar do Copom

Sem discutir a decisão - que nos pareceu acertada - do Comitê de Política Monetária (Copom) de elevar a taxa Selic de 0,50 ponto porcentual (p.p.), em lugar do 0,75 p.p. previsto, a leitura da ata em que foi tomada essa decisão nos traz diversas novidades.

, O Estado de S.Paulo

30 de julho de 2010 | 00h00

Sem dúvida, como disse o sócio-diretor da RC Consultores, Fabio Silveira, a ata procura explicar parte do erro de análise da ata anterior, na qual o superaquecimento, de três meses, da economia foi projetado para o ano.

Merece destaque o fato de o Copom, que costuma avaliar tendências de longo prazo, sem privilegiar fatos do momento nas suas decisões, ter introduzido a expressão "na margem", que não fazia parte do seu vocabulário. Assim, mostrou-se mais sensível do que no passado a um fato recente, como a queda dos índices de inflação depois da 151.ª reunião, de junho, que avalia como tendência duradoura.

Na ata, as autoridades monetárias procuram anunciar que o ciclo de aperto monetário está na sua fase final diante da evolução da conjuntura, deixando aberta, porém, a possibilidade de voltar a acionar uma política monetária restritiva, se novos fatos se impuserem.

Nessa nova visão, destaca-se a redução dos índices de inflação, e as autoridades monetárias notam que as expectativas em relação à inflação respondem mais rapidamente às decisões da política monetária.

As perspectivas para a evolução da atividade econômica doméstica continuam favoráveis, embora com maior moderação. No terreno da economia internacional nota-se que, apesar da lentidão da recuperação da economia norte-americana, das dúvidas sobre a dívida soberana de alguns países da Europa e de uma queda no dinamismo da China, há um recuo dos níveis de risco.

Essa é uma visão que pode parecer ainda otimista, e o texto da ata parece justificar essa dúvida quando reconhece que "a demanda doméstica se apresenta robusta em grande parte devido aos efeitos de fatores de estímulo como o crescimento da renda e a expansão do crédito. Além disso, estímulos fiscais e creditícios foram aplicados nos últimos trimestres e deverão contribuir para a consolidação da expansão da atividade".

Não nos parece ruim que as autoridades monetárias levem em conta fatores novos da conjuntura para tomar suas decisões, o que talvez justificaria que o Copom voltasse a se reunir a cada mês para melhor aferir as mudanças econômicas. Na realidade, as autoridades monetárias têm a difícil tarefa de prever o longo prazo sem ignorar a situação presente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.