Faturamento das micro e pequenas empresas cai em abril

O faturamento real das micro e pequenas empresas (MPEs) do Estado de São Paulo apresentou queda em abril, conforme estudo divulgado nesta quarta-feira pelo Sebrae-SP. No período, a receita das MPEs atingiu R$ 18,3 bilhões, o que representou diminuição de R$ 1,7 bilhão (-8,5%) ante o faturamento de abril de 2005 e uma redução de R$ 934 milhões (-4,8%) sobre o valor verificado em março de 2006.De acordo com o Sebrae-SP, o resultado, considerado "ruim" para este conjunto de empresas, foi motivado pelo "fator calendário", pois abril de 2006 teve apenas 18 dias úteis, contra 20 dias úteis de abril de 2005. Além disso, o mesmo mês do ano passado foi considerado relativamente aquecido para as MPEs.Na avaliação do Sebrae-SP, a recuperação da economia nacional ainda não chegou para as MPEs e a retomada do crescimento nestas companhias dependerá muito do ritmo de consumo das famílias. Portanto, da evolução favorável do poder aquisitivo dos trabalhadores. Segundo a instituição, o resultado de maio tende a ser melhor, inclusive pelo efeito sazonal das vendas do Dia das Mães.SetoresPor setores, Indústria, com queda de 7,7%, e Comércio, com baixa de 6,4%, puxaram o recuo do faturamento, na comparação com março de 2006. As MPEs de Serviços tiveram um pequeno aumento de 0,5% no período, desempenho puxado por empresas que prestam serviços a outras de maior porte, como firmas de contabilidade, advocacia, vigilância e limpeza.Em relação a abril de 2005, os três setores tiveram desempenhos negativos, com baixas de 14,3%, 6,3% e de 7,5%, respectivamente.RegiõesNa análise por regiões do Estado, as MPEs do interior tiveram a maior queda de faturamento: 5,1% em abril de 2006 sobre março. As micro e pequenas empresas da Região Metropolitana de São Paulo faturaram 4,5% menos e as do Grande ABC, -1,3%. Na capital paulista, houve queda de 2,5%.Na comparação com abril de 2005, o faturamento das companhias do interior voltaram a apresentar a queda mais expressiva, de 11,8%. O comportamento pouco animador foi seguido pelas baixas nas receitas das MPEs da Grande São Paulo (5,6%), da capital paulista (2,9%) e do Grande ABC (1,3%).SaláriosApesar da queda no faturamento real, aumentaram os gastos com salários em 7,1%, na comparação com abril de 2005. Em relação a março de 2006, também houve crescimento, porém menos expressivo, de 2,9%Na avaliação do Sebrae-SP, o aumento é reflexo da melhora da renda do trabalhador, ocorrida nos últimos meses na economia.Por regiões, o interior do Estado foi a região que puxou o aumento: o gasto total com folha de salários cresceu 11,3% em 12 meses, já descontada a inflação Na Região Metropolitana e município de São Paulo os aumentos foram, respectivamente, de 3,9% e 4,1%. No mesmo período, o Grande ABC registrou queda de 2,5%.As micro e pequenas empresas formalizadas do Estado de São Paulo empregam entre 5 e 6 milhões de pessoas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.