Faturamento das MPEs paulistas sobe em dezembro

Embora tenha registrado em 2009 uma queda de R$ 15,3 bilhões em seu faturamento real ante 2008, as micro e pequenas empresas (MPEs) paulistas fecharam o ano passado com o sinal de que a crise financeira mundial já é página virada. A pesquisa Indicadores Sebrae-SP, realizada mensalmente em colaboração com a Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade), apontou alta em dezembro de 3,8% no faturamento médio real desse segmento ante o mesmo mês do ano anterior, o melhor resultado desde o auge da crise internacional, em setembro de 2008. Em termos absolutos, as MPEs faturaram R$ 23,9 bilhões em dezembro, um incremento de R$ 882 milhões na receita em comparação com o mesmo mês do ano passado.

GUSTAVO URIBE, Agencia Estado

11 de fevereiro de 2010 | 17h59

O setor que puxou a alta de dezembro foi o industrial, registrando alta de 6,6% ante o último mês de 2008, o melhor resultado desde o início da crise. O segmento foi seguido pelos setores de comércio e serviços, que tiveram crescimento de 3,7% e 1,7%, respectivamente. O diretor-superintendente do Sebrae-SP, Ricardo Tortorella, explica que, por ter sido o segmento mais afetado pela crise, com retração de 10,2% ante 2008, a indústria tem a base de comparação mais achatada entre os setores pesquisados. "O setor se recupera muito bem da crise", ressalta.

Na análise por regiões do Estado, as micro e pequenas empresas do ABC foram as que apresentaram maior elevação em dezembro: 11,5%. Nas MPEs da capital e da região metropolitana de São Paulo, o crescimento foi de 8% e 4,9%, respectivamente. No interior do Estado, a elevação foi de 2,6%.

Ainda que os desdobramentos da crise financeira internacional não causem mais apreensão, os seus reflexos causaram estragos na receita das MPEs em 2009. O faturamento médio real dessas empresas encerrou o ano passado com uma perda de 5,5% em relação a 2008, o que corresponde à retração de R$ 15,3 bilhões. No mesmo período, os três setores de atividade apresentaram fortes quedas de faturamento: indústria (-10,2%), comércio (- 4,2%) e serviços (- 4,7%). De acordo com o diretor-superintendente do Sebrae-SP, os micro e pequenos negócios iniciaram 2009 com baixas próximas a 20% na receita.

"Embora as MPEs tenham apresentado queda, os últimos meses foram de recuperação. Particularmente, todos os meses do último trimestre de 2009 apresentaram resultados positivos", observa. Tortorella explica que o principal fator que influenciou o resultado negativo foi o impacto da crise financeira mundial na economia brasileira no primeiro semestre de 2009. "A crise gerou redução nas vendas, paralisação das exportações e restrição à oferta de crédito. Mas, para 2010, as perspectivas são melhores e com previsão de aumento no faturamento", acredita.

A pesquisa Indicadores Sebrae-SP monitora mensalmente o desempenho de 2,7 mil MPEs em todo o Estado, apresentando também dados para quatro regiões: capital, Grande ABC, Região Metropolitana de São Paulo (39 municípios) e Interior.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.