Faturamento de micro e pequena empresa sobe 0,6%

O faturamento real das micro e pequenas empresas registrou alta de 0,6% em setembro em relação a agosto. Porém, na comparação com o acumulado do ano o faturamento apresentou queda de 13,8% e, em 12 meses, de 17,5%. Os números foram divulgados pelo Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo (Sebrae). A entidade aponta que a circunstância de o mês de setembro contar com um dia útil a mais e o fato de a indústria estar no início de sua produção para abastecer as lojas paras as vendas de final de ano influenciaram no resultado da pesquisa.O destaque da pesquisa, feita com 2,7 mil micro e pequenas empresas, foi o setor industrial. Ainda de que forma tímida, como apontam os dados, a indústria foi a principal responsável pela retomada, registrando um faturamento 3,4% maior em setembro na comparação com o mês anterior. A elevação deve-se, conforme o Sebrae, por conta da intensificação da produção de bens intermediários e não-duráveis, principalmente alimentos e vestuário. O setor de serviços também apresentou alta (2,7%) no faturamento real. Por conta da recuperação da indústria, os segmentos de transporte, armazenagem e distribuição tiveram o melhor desempenho. No comércio, o Sebrae registrou redução de 1,6% em comparação com agosto. De acordo com os dados, no acumulado de 12 meses todos os setores - indústria (10,3%), serviços (19,1%) e comércio (21,3%) - tiveram queda no faturamento real. Para o gerente de Pesquisas Econômicas do Sebrae-SP, Marco Aurélio Bedê, entre os fatores que influenciaram nesse resultado estão as elevadas taxas de juros verificadas no primeiro semestre de 2003. Segundo ele, ainda, a recuperação tímida da economia ajudou a definir o quadro de estabilidade do pessoal ocupado que, em setembro, caiu 1% em relação ao mês anterior. No acumulado do ano a queda foi de 2,2% e, em 12 meses, variação negativa de 1,7%. O economista destaca que as pequenas empresas ainda não iniciaram as contratações consideradas normais para o período. Para o último trimestre do ano, ele projeta uma ligeira recuperação do consumo doméstico, em razão da lenta retomada da renda real, da entrada do 13º salário e do efeito da redução dos juros.Região metropolitanaO faturamento real das micro e pequenas empresas localizadas na região metropolitana de São Paulo subiu 0,9% em setembro na comparação com o mês anterior. No interior, a alta foi de 0,1%, enquanto que no ABC paulista verificou-se queda de 3,5%. No acumulado de 12 meses as empresas do interior registraram desempenho negativo no faturamento (17,1%), seguidas pelas da região metropolitana (17,3%) e do ABC (19,7%). O faturamento real, na média estadual, caiu 17,5%. O mesmo ocorreu com o nível de pessoal ocupado, que recuou 1,7% em setembro na comparação com igual período de 2002.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.