Faturamento de micro e pequenas empresas tem recuperação

Pesquisa da Sebrae-SP aponta que queda no faturamento registrada em março foi a menor desde outubro

Gustavo Uribe, da Agência Estado,

08 de maio de 2009 | 17h55

As micro e pequenas empresas paulistas tiveram em março a menor queda de faturamento real desde outubro, mês em que a crise financeira mundial se agravou a partir da quebra do banco Lehman Brothers, no dia 15 de setembro. De acordo com a pesquisa Indicadores Sebrae-SP, realizada em colaboração com a Fundação Seade, o recuo no setor foi de 9% em relação ao mesmo mês do ano passado, resultado pouco menor do que a queda de 9,8% verificada em outubro do ano passado ante o mesmo período de 2007. Na comparação com fevereiro, houve expansão de 10,4%.

 

Veja também:

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise  

 

Na opinião dos economistas do Sebrae-SP, os dados mostram recuperação dos pequenos negócios. Em fevereiro, o recuo na receita havia sido de 14,4% em comparação com o mesmo período do ano passado. Em janeiro, o resultado tinha sido ainda pior: queda de 16,5%.

 

Entre os setores incluídos na pesquisa, a indústria foi o que apresentou maior queda em março deste ano sobre o mesmo mês do ano passado: 11,2%. Comércio e serviços tiveram redução de 10,2% e 3,8%, respectivamente.

 

A pesquisa monitora o desempenho de 2,7 mil empresas no Estado e também verificou a expectativa dos proprietários de micro e pequenos negócios para o futuro do setor, mostrando que 50% dos entrevistados esperam manutenção no faturamento real e 52% acreditam em estabilidade para o nível de atividade na economia.

 

De acordo com o diretor superintendente do Sebrae-SP, Ricardo Tortorella, o bom resultado em relação a fevereiro não indica que o pior da crise já passou, mas é um bom exemplo de que medidas adotadas para os pequenos negócios começam a surtir efeito. "É muito bom para as expectativas de retomada do emprego e da renda do País", avaliou.

Tudo o que sabemos sobre:
crise financeiraempresas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.