Helvio Romero/Estadão
Helvio Romero/Estadão

Faturamento do varejo deve cair 1,6% este ano e fechar 2015 com alta de 1,2%, diz FecomercioSP

Diante da retração em 2014 e da expectativa de um Natal fraco, a federação avalia que o comércio sofreu com a alta da inflação e as incertezas em relação à condução da política econômica

Igor Gadelha, Agência Estado

17 Dezembro 2014 | 11h46

Após encerrar 2014 com uma queda esperada de 1,6% em relação ao ano passado, o comércio varejista do Estado de São Paulo deverá apresentar um crescimento real do faturamento de 1,2% em 2015, estima a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). De acordo com projeções da entidade, a receita real de vendas do varejo paulista poderá atingir R$ 528,3 bilhões neste ano, passando para R$ 534,9 bilhões em 2015.

Diante da retração ao longo do ano e da expectativa de um Natal fraco, a federação avalia que o comércio paulista sofreu com a alta da inflação e as incertezas em relação à condução da política econômica que "minaram a confiança dos consumidores". A federação analisa que o varejo no Estado foi caracterizado por "nítidas retrações" nas vendas de bens duráveis, dependentes de crédito, e pelo aumento de consumo de bens essenciais de primeira necessidade.

"A queda de vendas das concessionárias de veículos (-16,4%) e de lojas de eletrodomésticos e eletrônicos (-20,8%) teve como contraponto o crescimento de vendas das farmácias e perfumarias (8%) e dos supermercados (6,4%)", cita a entidade em nota enviada à imprensa. Segundo a FecomercioSP, das 16 regiões do Estado analisadas, nove devem registrar queda nas vendas neste ano, sendo os piores desempenhos no ABCD (-8,2%) e na capital paulista (-3,8%).

"O resultado pode ser atribuído ao menor número de dias úteis decorrentes dos feriados decretados em razão da Copa do Mundo, além do receio de manifestações", explica a federação na nota. No sentido contrário, a instituição destaca que as vendas reais do comércio varejista das regiões de Taubaté e Jundiaí devem apresentar os melhores desempenhos no Estado este ano, com expansões de 1,8% e 5,3%, respectivamente.

2015. Já em 2015, a FecomercioSP prevê que apenas São Paulo (-1,1%) e Campinas (-0,8%) deverão apresentar um nível anual de vendas inferior ao observado em 2014. A federação estima que o faturamento real do varejo em Osasco poderá crescer 6% no próximo ano, alta considerada "fundamental" para o resultado geral no Estado, na medida em que a região apresenta a segunda maior participação no varejo estadual, com 10,5% do total, atrás apenas da capital (30%).

Outras regiões que também deverão apresentar bom desempenho são Ribeirão Preto e Araraquara, para as quais a entidade prevê crescimento de 4% e 3,5%, respectivamente. A FecomercioSP pondera que as projeções para 2015 consideram que os ajustes esperados na economia brasileira deverão recompor "parcialmente" a confiança das famílias e permitir "algum crescimento nas vendas". 

Mais conteúdo sobre:
comérciovarejo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.