Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Faturamento real das micro cai 15,7%, aponta Sebrae

O faturamento real das micro e pequenas empresas no Estado de São Paulo caiu 15,7% na comparação de julho de 2003 com o mesmo mês do ano passado. O dado foi divulgado hoje pelo Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo (Sebrae-SP). De acordo com o estudo, realizado em parceria com a Fundação Seade, e que considera como deflator o INPC apurado pelo IBGE, no período de janeiro a julho de 2003, o faturamento real caiu 12,4% em relação a igual período de 2002.O Sebrae indicou, no entanto, um certo alento no desempenho das micro e pequenas empresas paulistas no mês de julho de 2003 em comparação a junho do mesmo ano, quando o faturamento real apresentou alta de 1,8%. "Ainda é cedo para pensarmos em retomada da atividade quando analisamos o desempenho anual e o faturamento médio nos sete primeiros meses do ano", disse o economista Pedro João Gonçalves, um dos pesquisadores do Sebrae-SP.Os "Indicadores Sebrae-SP" apontaram ainda para a estabilidade do número de trabalhadores do segmento de micro e pequenas empresas, com índice de 0% entre junho de 2003 e julho de 2003; -2,5% de janeiro a julho de 2003, em relação ao mesmo período de 2002; e de -0,7% entre julho de 2003 e julho de 2002. Foi identificada ainda forte retração nos gastos com folha de pagamento destas empresas: entre junho de 2003 (salários pagos em julho de 2003) e junho de 2002, queda de 11,8%; enquanto na comparação dos sete primeiros meses desse ano com o anterior, o recuo foi de 12,6%. Na comparação mensal, de junho para julho, a oscilação foi levemente positiva em 0,2%.

Agencia Estado,

04 de setembro de 2003 | 12h58

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.