Fazenda diz que nunca marcou reunião com Força Sindical sobre IR

O ministro da Fazenda, Antonio Palocci, reagiu às críticas do presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, que o acusa de estar fazendo "política de compadres" nas discussões sobre a correção da tabela do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF). Em nota divulgada no site da entidade na Internet, Paulinho acusa Palocci de estar discutindo a correção da tabela apenas com representantes da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e de ter cancelado a participação da Força Sindical em reunião marcada para hoje. Em nota oficial, Palocci contesta as declarações do dirigente da Força Sindical.Segundo o texto, o Ministério da Fazenda afirma que "em nenhum momento" foi marcada ou confirmada reunião com a Força Sindical para discutir a correção da tabela. Diz ainda a nota que a reunião de hoje foi marcada com o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, José Lopez Feijoó, e não com as centrais sindicais. "O presidente Feijoó tem participado destas audiências acompanhado de outros sindicalistas", diz a nota da Fazenda, que acrescenta ainda que existe um pedido "em exame" de audiência da Força Sindical com o ministro para discutir a correção da tabela do IRPF.Na nota que levou à reação do ministro Palocci, o presidente da Força Sindical chama de "vergonhosa" e "supeita" a reunião com o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. " É vergonhoso presenciar um governo que foi eleito sob o manto democrático atuar de forma turva e nebulosa. Após as centrais sindicais confirmarem uma audiência na semana passada com o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, para discutir a correção da tabela do Imposto de Renda, fomos informados apenas no final da noite de ontem que o ministro iria receber apenas representantes da CUT?.A nota destaca ainda que ?é no mínimo suspeita essa atitude?. Diz também: ?Estarrecidos diante de tal arbitrariedade, já que a Força Sindical representa grande parte dos trabalhadores brasileiros, só nos resta questionar: será que essa reunião vai resultar em benefício aos trabalhadores? Não será um acerto de compadres?".?Troca de favores?Segundo Pereira da Silva, a Força Sindical anseia há tempos pela correção da tabela. "Fizemos diversas manifestações pelo país e cobramos a correção desde o governo passado. Pelo que estamos presenciando, parece óbvio que a cada dia fica mais claro que esse governo segue norteado por troca de favores com os militantes e se pauta por uma política feita na calada da noite", diz.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.