Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Fazenda e BC têm acompanhado evolução do dólar, diz Guardia

Mesmo diante de um movimento global de alta do dólar, ministro admite que 'existe uma atenção maior no caso brasileiro dado o cenário de eleições'

Lorenna Rodrigues, O Estado de S.Paulo

07 de junho de 2018 | 13h24

BRASÍLIA - O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, disse que o Tesouro Nacional e o Banco Central estão atuando de maneira coordenada e acompanhado o movimento de alta do dólar registrado nos últimos dias.

+ Dólar chega a bater R$ 3,93 e Bolsa cai mais de 3% nesta quinta-feira

O ministro voltou a dizer que há um movimento global de alta da moeda americana, mas admitiu que, no caso brasileiro, a expectativa das eleições geram ainda mais incertezas. "Existe uma atenção maior no caso brasileiro dado o cenário de eleições, isso agrega maior volatilidade aos mercados", afirmou.

Questionado se o real está sob ataque especulativo, Guardia disse apenas que os fundamentos da economia brasileira são sólidos para enfrentar momentos de maior turbulência. O ministro citou as reservas elevadas e o déficit pequeno em conta corrente. "Tudo isso reforça muito a solidez da economia brasileira para enfrentar esse momento", completou.

+ Cenário incerto faz crescer aposta na alta da taxa Selic

Guardia também foi perguntado sobre críticas feitas à atuação do Tesouro Nacional no mercado e disse achar normal comentários dessa natureza em momentos de volatilidade. "A atuação do Tesouro está equilibrada, dentro do que podemos fazer", disse, lembrando que o órgão tem feito leilões de recompra e cancelado vendas para reduzir a pressão sobre o mercado. "O Tesouro tem olhado o mercado de juros para tentar reduzir volatilidade. O câmbio é flutuante, isso faz parte do nosso sistema", acrescentou.

+ Recessão reduz o impacto de juros menor

O ministro reforçou a necessidade de reformas, principalmente da Previdência, para reforçar a capacidade de reação em momentos de turbulência. Ele citou avanços no Congresso Nacional, como a questão dos distratos e da duplicata eletrônica. "A agenda legislativa é muito importante para avançar na direção correta".

Guardia também não respondeu perguntas sobre se o Banco Central poderá subir juros diante da alta do dólar. "O Ministério da Fazenda nunca fará comentários sobre juros", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.