Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Fazenda é contra FGTS na capitalização da Caixa

Operação é complexa e não deve ser aprovada pelo Conselho Curador do Fundo, avalia membro da equipe econômica

Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

11 de janeiro de 2018 | 05h00

BRASÍLIA - O Ministério da Fazenda é contrário à operação de capitalização da Caixa com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Segundo um integrante da equipe econômica, a operação com FGTS é complexa e não dever ser aprovada pelo Conselho Curador do fundo.

A reunião extraordinária do conselho para discutir a aprovação do socorro, antes prevista para esta semana, acabou não acontecendo. O mais provável é que a reunião só aconteça depois da avaliação da operação pelo Tribunal de Contas da União (TCU), em fevereiro, na volta do recesso.

Um dos inúmeros entraves apontados pela Fazenda é a dificuldade de definir a taxa de referência que o banco pagaria no empréstimo com os recursos do FGTS. Não há operação similar no mercado.

Apesar de o Congresso Nacional ter aprovado uma lei autorizando o empréstimo de até R$ 15 bilhões à Caixa, depois de uma articulação relâmpago de lideranças do governo, a operação de fato ainda não está decidida.

O governo está dividido. A ala política defende o empréstimo e tinha a expectativa de aprovação pelo conselho curador do FGTS ainda essa semana. A área econômica avalia como equivocado o argumento de que o banco terá de reduzir a oferta de crédito se não for feita a capitalização. O ritmo de crescimento da carteira é que teria de ser revisto.

++ Caixa pode emprestar R$ 2,5 bi a Estados e municípios sem garantias da União

Segundo apurou o Estadão/Broadcast, outras alternativas para a abertura de espaço no capital no banco estão sendo discutidas com o Banco Central. Entre o mix de opções estão medidas para buscar receitas com maior retorno além de redução de despesas com pessoal e plano de saúde dos funcionários.

A venda de carteiras de empréstimos que não são o foco do banco também está no radar. A prioridade do banco é a área habitacional.

Contrário à operação da Caixa, o procurador do Ministério Público junto ao TCU, Julio Marcelo, já alertou que o socorro poderá representar uma reedição do caso do BNDES durante os governos Lula e Dilma Rousseff, que começou com o Tesouro emprestando R$ 12 bilhões e, ao final de seis anos, os empréstimos já haviam chegado a R$ 500 bilhões. Esses empréstimos foram usados para turbinar o crédito de empresas e setores específicos durante os governos do PT.

++ 'Temos de pensar se vale a pena ter banco público no País'

O banco estatal busca evitar o risco de descumprir normas internacionais de proteção bancária (acordo de Basileia). A instituição hoje está muito perto dos limites mínimos dessas normas, antes mesmo do endurecimento das regras, programado para 2019.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.