finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Fazenda e Ipea têm discurso afinado sobre gasto público

O secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, e o presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Marcio Pochmann, apresentaram hoje discursos bem afinados em relação à condução dos gastos públicos no Brasil. Segundo eles, a principal fonte de despesas do governo não está nos gastos correntes, mas, sim, na transferência de recursos para famílias mais necessitadas. Esta estratégia do governo, de acordo com os dois economistas, é um dos pontos que propiciam a melhora atual dos indicadores domésticos."Os gastos públicos cresceram nesse sentido durante o governo Lula e esse é o grande diferencial em relação ao governo anterior", disse Pochmann em entrevista a jornalistas após participar do Seminário Perspectivas Econômicas Regionais, organizado pelo Fundo Monetário Internacional e o Ministério da Fazenda, com o apoio da Fundação Getúlio Vargas, realizado em São Paulo. "Por conta disso, o ambiente é favorável hoje."Durante palestra no mesmo evento, Barbosa afirmou que todo o aumento da receita obtido pelo atual governo foi redistribuído na forma de transferência. "Por isso não se vê uma crise na economia brasileira", afirmou, explicando que, com a possibilidade de aumento do consumo por essas famílias, há um crescimento do setor privado e, conseqüentemente, dos investimentos. "Os investimentos têm predominado, já que o ritmo de seu crescimento tem sido o dobro da expansão do PIB", argumentou.O secretário enfatizou que foi a transferência de renda para famílias que subiu dentro dos gastos públicos, com ênfase na Previdência, Lei Orgânica da Assistência Social (Loas), Bolsa-Família e seguro-desemprego. De acordo com Barbosa, a Bolsa-Família representa hoje 0,3% do Produto Interno Bruto (PIB) e a expectativa é de diminuição deste porcentual nos próximos anos, já que, segundo ele, a economia continuará a crescer e o número de beneficiados deverá ficar estável. "Quase 100% do público-alvo já está integrado ao programa."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.