Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Fazenda garante que PEC do Teto não trará perdas para Saúde

O secretário da Fazenda, Mansueto Almeida, e o assessor, Marcos Mendes, usaram tom duro ao rebater críticas à PEC; Mansueto chegou a desafiar opositores a apresentarem lista de programas cortados

Lu Aiko Otta, O Estado de S.Paulo

05 de outubro de 2016 | 14h03

BRASÍLIA - Os estudos que apontam perdas bilionárias para o setor de saúde por causa da aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241, conhecida como PEC do Teto, estão errados, afirmou o chefe da Assessoria Especial do Ministério da Fazenda, Marcos Mendes. "Acabei de receber mais um, e ele também está errado", disse, durante reunião da Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados. 

Em comum, esses estudos são feitos por entidades representativas da área da saúde e calculam quanto o governo deixará de aplicar no setor nos próximos anos, supondo taxas de crescimento da economia na faixa dos 4% e taxas de inflação na casa dos 5%. Premissas que, segundo o secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, Mansueto Almeida, não se concretizarão. "A economia decresceu 7% nos últimos dois anos, como é que agora vai crescer 5%?", questionou.

 

Os dois assessores do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, usaram um tom bastante duro para rebater críticas da oposição ao projeto, que procurou caracterizar a proposta da emenda como uma medida contrária aos pobres e aos mais necessitados. "Não existe essa dicotomia entre os economistas cortando gastos porque são sádicos, e os bons do outro lado" , disse Mendes. 

"Pelo amor de Deus, vamos ler a PEC", impacientou-se Mansueto diante de discursos que apontavam cortes em programas sociais que, na verdade, não serão atingidos. "Prouni é renúncia de receita, está fora do teto. Fies é despesa financeira, não é atingida. Fundeb não entra na PEC." 

Mansueto afirmou que não há corte em programas sociais e ressaltou que o Bolsa Família teve reajuste superior a 10% este ano, depois de dois anos congelado. "Me mandem a lista dos programas sociais cortados", desafiou.

A um argumento que gasto com saúde é vida, Marcos Mendes respondeu que emprego também é vida. E que entre os mais pobres, a taxa de desemprego chega a 20% enquanto para o topo ela está em 1%. Os doze milhões de desempregados, disse ele, são resultado da crise econômica. "Não vivemos uma marolinha. Batemos na parede. Chegamos, como diz o deputado Darcísio Perondi, ao dia do juízo fiscal. Perondi é o relator da PEC do Teto. 

Mansueto, Mendes e Perondi passarão a tarde desta quarta-feira, 05, dialogando sobre a PEC com bancadas na Câmara. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.