Febraban aprova alterações na política de câmbio

As medidas anunciadas pelo Conselho Monetário Nacional na última sexta-feira, reorganizando o sistema de câmbio no País," são oportunas, traduzem um bom movimento de desobstrução para este setor". A opinião é do economista chefe da Federação Brasileira de Associações de Bancos (Febraban), Roberto Troster, que entende também que o governo deveria estender medidas similares para outros setores da economia, caso da desburocratização do mercado de trabalho, da obtenção de crédito financeiro e para a abertura e fechamento de empresas."Em pleno Século 21, não podemos manter legislações do Século 19. Existe um ranço de burocracia no País, desde o tempo em que éramos colônia, e que precisa ser eliminado", disse à Agência Estado. Alinhado às declarações do presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, Troster entende que a nova regulamentação do setor de câmbio provocará, simplificação de custos e controles mais eficientes no trânsito de recursos. Para ele, as medidas não impactarão na cotação do dólar imediatamente. Por isso ele entende que o Brasil permanecerá na rota de crescimento das exportações este ano, mas por conta da valorização do real frente ao dólar, há indicações de que o saldo da balança comercial deste ano ficará pouco inferior ao do ano passado. Troster acompanha hoje o seminário "Cenário do Sistema de Infra-Estrutura Brasileiro", evento promovido pela Serasa, em São Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.