Febraban diz que não há ‘bala de prata’ para spread

Segundo a entidade, bancos já começaram processo de redução e não há pressão do governo

Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

06 de fevereiro de 2017 | 21h33

BRASÍLIA - Em meio ao aumento da pressão dentro e fora do governo para que os grandes bancos reduzam as taxas de juros dos empréstimos bancários, o presidente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Murilo Portugal, afirmou que não há “bala de prata” para resolver o problema do spread elevado no Brasil.

Segundo Portugal, os bancos já começaram o processo de redução dos spreads – que é a diferença entre o custo de captação do banco e o que ele cobra dos seus clientes nos empréstimos. O recuo nos spreads que estão presentes nas taxas de financiamento das empresas e pessoas físicas vai continuar, assegurou o presidente da Febraban.

“Para o setor bancário é importante ter taxas bancárias menores”, disse ele, ressaltando que os bancos vão trabalhar para atacar, junto com o Banco Central, os gargalos responsáveis pela spreads elevados. Mas negou que os bancos estejam sofrendo pressão do governo para reduzir os spreads e ressaltou que o BC está tratando o assunto de forma “racional” para fazer o melhor diagnóstico do problema.

“Sem um bom diagnóstico, acabamos correndo o risco de se tomar os remédios errados”, advertiu ele, lembrando a tentativa que foi feita durante o governo Dilma Rousseff, em 2012, quando a equipe econômica acionou os bancos públicos para pressionarem a queda dos spreads pelos bancos privados.

Essa é a primeira vez nos últimos anos que a Febraban expõe a sua avaliação detalhada sobre o problema. Na véspera do debate no BC sobre medidas para a redução do spread e do custo do crédito no Brasil, nesta terça-feira, o presidente da Febraban disse que o tema é “mal compreendido” no País. Ele procurou desconstruir a avaliação corrente de que a alta concentração bancária provoca baixa competição entre as instituições no sistema financeiro e, consequentemente, é responsável pelos spreads altos.

Em contraposição à crítica, Portugal disse que, embora a concentração seja realmente alta, há competição entres os bancos. Entre as principais razões para as taxas de spread altas, ele apontou o risco elevado dos bancos com inadimplência. Mas o problema maior, na sua avaliação, é a difícil recuperação do crédito no Brasil em comparação aos outros países.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.