Reprodução
Reprodução

Febraban lança ferramenta de finanças pessoais, com dicas para quitar dívidas e de investimentos

Portal, de uso gratuito, foi desenvolvido em parceria com o Banco Central; plataforma é um dos pilares do mutirão de negociação de débitos realizado neste mês

Matheus Piovesana, O Estado de S.Paulo

03 de novembro de 2021 | 11h52

A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) lançou nesta quarta-feira, 3, um portal de finanças pessoais, chamado Meu Bolso em Dia, desenvolvido em uma cooperação técnica com o Banco Central. Segundo o presidente da Febraban, Isaac Sidney, o portal, de uso gratuito, permite ao usuário fazer um diagnóstico de sua saúde financeira. "Deveria ser assim também com as finanças públicas", disse.

O site utiliza inteligência artificial para levar conteúdos aos usuários, com dicas, por exemplo, para iniciar investimentos, quitar dívidas e declarar o Imposto de Renda. "Reafirmamos que a educação financeira é um instrumento fundamental para as pessoas, para a sociedade, para o setor bancário e, principalmente, para a economia brasileira do século 21", disse o presidente da Febraban.

Ele citou dados do Índice de Saúde Financeira do Brasileiro, compilado pela entidade, que mostram que quase 70% das pessoas gastam tanto quanto ou mais do que ganham; que quase 65% não têm segurança sobre o próprio futuro financeiro; e que quase 60% veem nas finanças um motivo de estresse.

Segundo Sidney, os bancos investiram cerca de R$ 10 milhões na construção da plataforma, aplicados em tecnologia. No período de testes, que durou seis meses, mais de 10 mil usuários passaram pela ferramenta.

A plataforma será um dos pilares do mutirão de negociação e orientação financeira que a Febraban promoverá em parceria com Banco Central, Senado Federal e Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon).

A iniciativa, que vai durar todo o mês de novembro, é voltada para pessoas físicas com dívidas em atraso com instituições financeiras cujas modalidades não contemplem bens dados em garantia do empréstimo.

Para iniciar a negociação de uma dívida em atraso, o devedor deve fazer o registro na plataforma consumidor.gov.br. Depois, é necessário escolher a instituição com a qual deseja negociar e relatar o problema. O banco tem prazo de até 10 dias para analisar a solicitação e apresentar uma proposta.

Segundo o BC, a novidade desta edição é o foco na preparação para a renegociação em si, com orientações passo a passo para o consumidor até o envio da proposta. Essa etapa é opcional, mas foi desenvolvida uma página específica (mutirão.febraban.org.br), em que o devedor poderá descobrir quais são suas dívidas, se vale a pena participar do mutirão e a parcela do orçamento que poderá ser destinada ao pagamento na negociação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.