Febraban projeta dólar a R$ 1,82 no fim de 2010

Estimativa anterior, de dezembro, era de a moeda norte-americana ficar cotada em R$ 1,76

Ricardo Leopoldo, da Agência Estado,

10 de fevereiro de 2010 | 16h20

A pesquisa Febraban de projeções macroeconômicas e de expectativas do mercado, realizada com 30 bancos, indicou em fevereiro que o câmbio deve fechar 2010 em R$ 1,82, taxa nominal pouco superior à estimada em dezembro, de R$ 1,76. "Há um cenário tranquilo para esse indicador neste ano, mesmo que a instabilidade econômica no exterior seja o principal risco à nossa economia", comentou o economista-chefe da Febraban, Rubens Sardenberg.

 

A ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) manifestou certa apreensão com a possibilidade de que o real registre desvalorização ante o dólar, neste ano, em função de turbulências externas, entre elas um movimento de apreciação da moeda norte-americana em relação ao euro.

 

O BC teme que a desvalorização do câmbio no Brasil possa se tornar um fator adicional para pressionar a inflação em 2010, vindo logo atrás de um aquecimento excessivo da demanda agregada motivada pelo crescimento do País, que para o BC deverá ser de 5,8%. "O Brasil tem condições econômicas boas. Apresenta um grande volume de reservas cambiais (US$ 240 bilhões) e um cenário de crescimento do PIB bem favorável neste ano", comentou Sardenberg.

 

Segundo o economista-chefe, mesmo com expectativa de expansão do déficit de transações correntes, que na pesquisa Febraban deve atingir US$ 49,8 bilhões em 2010, não há nenhum temor pelos especialistas de que o Brasil terá dificuldades para financiar tal saldo negativo. Um dos principais elementos que vão contribuir para a estabilidade das contas externas é a evolução do investimento estrangeiro direto, que deve subir de US$ 25,9 bilhões em 2009 para US$ 37,3 bilhões, de acordo com a previsão dos economistas ouvidos pelo estudo.

Tudo o que sabemos sobre:
câmbio, Febraban, dólar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.