Fechado acordo que reduz IPI e preço de carros

Está fechado o acordo entre governo federal, sindicatos e montadoras para a redução do IPI dos carros, acompanhada de uma queda nos preços ao consumidor. O acordo deve ter vigência até dezembro deste ano. O ministro da Fazenda, Antônio Palocci, foi convencido de que esse é o melhor caminho para tentar aumentar a arrecadação do IPI dos carros, que registrou, no último mês, uma queda de 18%. Esse número minou a irredutibilidade de Palocci em adotar medidas emergenciais desse tipo para reativar o setor e reduzir os estoques nos pátios. Antes da decisão, Palocci conversou com sindicalistas e integrantes da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos (Anfavea). Ontem, o ministro do Planejamento, Guido Mantega, confirmou que o governo continua negociando um plano de auxílio ao setor automobilístico, que terá por objetivo no médio e longo prazos criar 300 mil novos empregos na cadeia produtiva do setor. Segundo ele, o governo está disposto a conceder redução do IPI sobre os carros mas exige, em troca, que as montadoras não aumentem preços nem façam demissões. O ministro não quis dizer se o acordo atingiria apenas carros populares e que isso faz parte da negociação em curso. Ele previu um acordo em breve para a matéria. O ministro José Dirceu, da Casa Civil, também entrou nessas conversas esta semana, trocando idéias com os mesmos interlocutores, em momentos diferentes de Palocci, fechando assim um ciclo de apoio político e econômico ao projeto. O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan, que chegou ontem pela manhã de Montreal, encontrou a equação pronta e exultou. Mas, pelo que se apurou nos bastidores do Ministério do Desenvolvimento, não vai anunciá-la hoje, durante a instalação do Fórum de Competitividade da Indústria Automotiva, como pretendia. O anúncio da decisão deve ser feito pela Fazenda hoje ou no mais tardar na semana que vem, em conjunto com Furlan. Aliás, chegou a ser ensaiado ontem um movimento para cancelar a realização do fórum, mas Furlan conseguiu evitar o cancelamento do evento com o argumento de que seu objetivo é uma evolução do setor no médio e longo prazos. Furlan descarta a visão de que o Forum esteja sendo criado simplesmente para solucionar uma questão pontual na atual crise do setor automotivo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.