Fecomércio revisa para baixo previsão de vendas no Natal

A Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP) revisou para baixo sua expectativa de vendas no Natal deste ano, revertendo a previsão anterior, feita no início de dezembro, de estabilidade de faturamento em relação ao ano passado, para, agora, uma estimativa de queda de 1%. Apesar da mudança, a entidade representativa do comércio informa, em comunicado, que a nova projeção está alinhada coerentemente em relação à estimativa anterior."De acordo com a assessoria econômica (da Fecomercio), a queda deve-se ao elevado grau de endividamento, o que leva o consumidor a destinar, inicialmente, o décimo terceiro para o pagamento de dívida e, apenas depois, realizar compras", destaca o documento.A nova sondagem produzida pela Fecomercio, divulgada hoje e que foi realizada entre os dias 16 e 18 deste mês, ouviu 150 empresários do comércio paulista, identificando que as lojas de bens duráveis, como eletroeletrônicos, tiveram queda de 1,5% nas vendas deste ano em relação ao ano passado. No segmento de semiduráveis, caso de vestuário e calçados, a redução ficou em 0,8%, conforme a mesma sondagem.A Fecomercio salienta, entretanto, que a base comparativa de 2004 é elevada, pois, no ano passado, houve crescimento de faturamento de 2,7% em relação a 2003.Ticket médio Lista de presentesbrinquedos28,9%vestuário e calçados26,7%CDs ou DVDs11%perfumes e cosméticos6,5%eletrodomésticos6,2%aparelho de TV e som3,8%telefone celular3,4%computador ou acessórios de informática2,2%aparelho de DVD/CD1,2%bebidas0,5%outros0,2%não sabiam9,2%Outro ponto importante para arrefecer as expectativas dos comerciantes está na queda acentuada do valor médio que cada consumidor pretende gastar. Uma outra sondagem feita pela federação, desta vez entre 800 consumidores paulistanos, identificou que o valor a ser gasto, em média, foi reduzido de R$ 51, no ano passado, para R$ 37, este ano (veja na tabela ao lado a lista de presentes que o consumidor pretende dar).Mais uma vez, a assessoria econômica da entidade responsabiliza essa queda de pretensão de compra ao grau de endividamento dos trabalhadores, principalmente pelo grande contingente de pessoas que tomaram empréstimos consignados em folha de pagamento."A sondagem realizada com consumidores aponta que 35% dos entrevistados pretendem gastar menos do que em 2004. Já outros 35% planejam gastos maiores. Do total de entrevistados, 24% querem gastar o mesmo valor do Natal anterior", informa o documento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.