Fecomercio-SP: 50% das famílias estão endividadas

Pesquisa de endividamento e inadimplência do consumidor divulgada hoje pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio) aponta que, em outubro, 50% das famílias na cidade de São Paulo têm algum tipo de dívida. Destas, 16% já estavam inadimplentes, afirmando possuir contas em atraso e, desse grupo, 7% relatam não terem condições de honrar os pagamentos. Os resultados de outubro se assemelham aos constatados em setembro, quando as proporções eram de 51%, 15% e 7%, respectivamente. Em números absolutos, só na capital paulista, o total de famílias endividadas caiu de 1,825 milhão em setembro para 1,786 milhão em outubro. No mesmo período, em 2009, esse número era de 1,465 milhão.

AE, Agencia Estado

27 de outubro de 2010 | 17h11

A maior parte das dívidas continua sendo no cartão de crédito, com 71,3% do total. "A popularização do uso do cartão de crédito tem se expandido nas classes C, D e E. Oferecidos até mesmo gratuitamente, os cartões podem ser utilizados sem que o consumidor tenha conta bancária e ainda disponibilizando o parcelamento das dívidas", avalia a assessora econômica da Fecomércio Fernanda Della Rosa. Em seguida, aparecem os carnês (28,7%), o crédito pessoal (9,7%), o financiamento de carro (8,4%) e cheque especial (6,2%).

A pesquisa também mostra que do total de famílias endividadas, 56% têm pagamentos atrasados há mais de 90 dias e 24,6% estão com as contas atrasadas em até 30 dias, enquanto 18,6% estão com dívidas atrasadas entre 30 e 90 dias.

Um indicador que chamou a atenção foi o do comportamento em relação aos financiamentos de veículos, que atingiu 8% dos tipos de dívidas identificadas. Dentre as famílias entrevistadas e que informaram ter tomado financiamentos para compra de automóveis, destaca-se o elevado nível de endividamento do público feminino, que apresentou incidência de 32%, ante 6% do público masculino. "Isso demonstra que as mulheres estão buscando muito mais o financiamento de veículos do que os homens, como alternativa para a compra desses bens", conta Della Rosa. Já os homens utilizam muito mais os carnês como meio de pagamento do que as mulheres: 31% frente a 9%, respectivamente.

No que diz respeito à parcela de renda comprometida com o pagamento de dívidas, 48,5% das famílias endividadas vincularam entre 11% e 50% de sua renda e 26,8% delas comprometeram até 10% da renda. A parcela das famílias endividadas que têm mais de 50% da renda comprometida com o pagamento de dívidas representa 19,3% do total.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.