Fecomercio-SP: Alimentos pressionaram IPV em 2011

Os preços no comércio paulistano subiram 0,72% na passagem de novembro para dezembro e acumularam alta de 4,09% em 2011, de acordo com o Índice de Preços do Varejo (IPV), da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP), divulgado hoje (30). Os preços dos alimentos foram os que mais pressionaram o IPV. Segundo a entidade, houve aumento em todos os setores do comércio de produtos alimentícios: em Padarias, os alimentos ficaram 7,49% mais caros no ano passado; em Supermercados subiram 5,54%; nas Feiras, 4,23% e nos Açougues, 0,44%.

EQUIPE AE, Agencia Estado

30 de janeiro de 2012 | 12h24

Em nota, a Fecomercio-SP ressaltou que nas Feiras, somente entre novembro e dezembro os preços de verduras, frutas e legumes subiram 2,93%, 1,73% e 1,63%, respectivamente. Em Supermercados, houve alta menor e queda: verduras subiram 2,29% e frutas, 0,93%, enquanto os preços dos legumes recuaram 1,69%.

Nos Açougues, apesar da elevação de apenas 0,44% em 2011, o preço das carnes subiu, em média, 3,44% somente entre novembro e dezembro. Carnes bovinas ficaram 4,06% mais caras, enquanto as suínas subiram 4,35%. O preço das aves teve leve queda de 0,01%. Nos Supermercados, os preços dos mesmos produtos aumentaram 4,87%, 3,33% e 1,97%, respectivamente.

No setor de Padarias, na passagem de novembro para dezembro, houve alta de 0,5% nos alimentos.

Na avaliação da Fecomercio-SP, a instabilidade climática, com excesso de chuvas no início do ano, foi o principal motivo para a elevação dos preços dos alimentos. "Exceto no caso das carnes, do leite e seus derivados, que foram prejudicados pelas secas na entressafra", disse em nota. A entidade prevê a manutenção da trajetória de aumento dos alimentos devido às chuvas registradas nos primeiros dias de 2012.

Dos 21 setores analisados pelo IPV, 17 apresentaram aumento de preços em 2011. Além de Supermercados, Feiras, Açougues e Padarias, os preços subiram em Floriculturas (16,33%); Relojoarias (13,75%); Jornais e Revista (11,4%); CDs (9,85%); Combustíveis e Lubrificantes (7,82%); Material de Escritório (5,43%); Móveis e Decorações (5,36%); Óticas (5,13%); Drogarias e Perfumarias (5,08%); Brinquedos (5,02%); Material de Construção (4,97%); Vestuários, Tecidos e Calçados (4,81%); e Livrarias (1,22%).

Houve queda de preços no ano passado em Autopeças e Acessórios (0,9%); Veículos (1,41%); Eletrodomésticos (2,62%); e Eletroeletrônicos (8,97%).

Tudo o que sabemos sobre:
FecomercioIPV

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.