Fecomercio-SP esperava queda maior da taxa Selic

A queda da inflação esperada para os próximos meses justificaria um corte mais acentuado dos juros pelo Comitê de Política Monetária (Copom) neste mês. A opinião é da Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio SP), que classificou como conservador o corte de 2,5 pontos porcentuais da Selic, a taxa básica de juros da economia ? de 24,5% ao ano para 22% ao ano.A maior redução da taxa forçaria a queda da taxa de juros real, o que poderia se refletir sobre o crédito ao consumidor e, por conseqüência, sobre a venda pelo crediário. Nas condições atuais, "as prestações ainda não cabem no bolso do consumidor", alega Abram Szajman, presidente da entidade.Ele acrescenta que uma diminuição maior permitiria a recuperação do consumo de forma mais rápida. Em doses homeopáticas, os efeitos para o comércio só serão sentidos no longo prazo. No entender da entidade, o nível de atividade e os índices de desemprego atuais são suficientes para mostrar que a dose do "remédio amargo" tem sido exagerada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.