finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Fecomercio-SP: IPV sobe 0,15% em outubro

O Índice de Preços no Varejo (IPV) registrou alta de 0,15% em outubro ante quedas de 0,10% em setembro e de 0,17% em agosto, de acordo com divulgação hoje pela Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP). Com o resultado do mês passado, o indicador acumula alta moderada de 0,40% nos primeiros dez meses de 2009 e, nos últimos 12 meses encerrados em outubro, registra elevação acumulada de 0,67%.

FLAVIO LEONEL, Agencia Estado

12 de novembro de 2009 | 14h42

Segundo a entidade, o grupo Combustíveis e Lubrificantes foi o principal responsável pela alta do IPV. Em outubro, apresentou avanço de 2,88% ante variação positiva de 1,07% em setembro. Para a Fecomercio-SP, o destaque maior no segmento ficou por conta da parte de Combustíveis, cuja alta foi de 2,98%, influenciada por questões de oferta interna da cana-de-açúcar, já que o excesso de chuvas prejudicou a moagem para a produção do álcool, causando elevação do preço.

Outro grupo que mereceu citação especial da entidade foi o de Açougues, com elevação de 0,71% ante variação positiva menor, de +0,09% no mês anterior. Para a economista da entidade, Júlia Ximenes, a alta pode ser entendida como um "realinhamento de preços", já que foram observadas sucessivas quedas no trimestre que compreendeu os meses de junho (-0,56%), julho (-0,31%) e agosto (-0,91%), ocasionadas por excesso de oferta no mercado interno devido à redução nas exportações. No ano, o grupo alcançou queda acumulada de 5,30%.

Na outra ponta do levantamento do ICV, o grupo Supermercados manteve uma trajetória de queda em outubro, de 0,29%, porém um pouco menos intensa que a baixa de 0,68% de setembro. De acordo com a Fecomercio-SP, as maiores reduções foram verificadas em Leites (-9,52%), Ovos (-7,15%), Aves (-3,69%), Frutas (-2,83%) e Legumes (-2,24%). Em 2009, os preços médios nos supermercados acumularam alta de

0,80%.

Outro destaque de baixa do ICV ficou por conta do grupo Feiras, que recuou 1,20% no mês passado ante declínio de 0,95% em setembro, com movimentos mais intensos de queda dos segmentos de Verduras (-3,27%), Frutas (-2,30%), Flores (-2,27%) e Aves (-0,06%). Apesar desta baixa de outubro, o grupo acumulou alta de 9,79% nos primeiros dez meses do ano. "Para os próximos meses, a expectativa é de que os produtos alimentícios continuem em processo de realinhamento de preços, graças às condições climáticas mais favoráveis", afirmou Júlia Ximenes, em análise encaminhada em conjunto com a abertura do índice geral.

O grupo Eletrodomésticos apresentou declínio de 1,11% em outubro ante recuo de 0,50% em setembro, acumulando variação negativa de 3,66% em 2009. Para a Fecomercio-SP, com a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para a linha branca, os preços destes bens recuaram 1,74% ante a queda de 0,21% em setembro. A entidade destacou também que, desde o início da medida de desoneração fiscal, os preços deste segmento no período de abril a outubro acumulam queda de 8,21%.

Quanto aos demais grupos pesquisados em outubro pela Fecomercio-SP, na parte de altas, ficaram Drogarias e Perfumes (0,31%), Vestuário, Tecidos e Calçados (0,11%), Veículos (0,03%), Brinquedos (1,62%), Eletroeletrônicos e Outros (0,12%), Livrarias (0,27%), CDs (0,22%) e Material de Escritório e Outros (0,22%). No terreno de quedas, figuraram ainda os grupos Padarias (-0,30%), Material de Construção (-0,24%), Relojoarias (-0,62%), Floriculturas (-1,89%), Jornais e Revistas (-0,03%), Óticas (-0,05%) e Autopeças e Acessórios (-0,14%). O grupo Móveis e Decorações foi o único que apresentou variação zero no mês passado.

Os dados para a composição do IPV são coletados em cerca de 2 mil estabelecimentos comerciais no município de São Paulo, contemplando 21 grupos do varejo e 450 subitens pesquisados. A pesquisa conta com uma amostra mensal de aproximadamente 105 mil tomadas de preços.

Tudo o que sabemos sobre:
comércioinflaçãoFecomercioSPIPV

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.