Fecomercio-SP quer queda de juros na próxima reunião

O presidente da Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP), Abram Szajman, avalia que a manutenção da taxa básica de juros em 11,25% ao ano foi uma decisão cautelosa do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) diante de um cenário de incertezas e da crise do mercado imobiliário norte-americano. Apesar disso, a entidade defende que, já na próxima reunião do Copom, a trajetória de redução da Selic seja retomada."Diante dos entraves flutuantes pelos quais passam os mercados, não se poderia esperar outra atitude que não fosse cautelosa. Entretanto não podemos ignorar que se no passado as reduções da Selic tivessem sido maiores, hoje a manutenção da taxa de juros estaria próxima do seu nível mínimo, de forma que a cautela de agora não traria nenhum ônus para o setor produtivo", afirmou Szajman, em nota, ressaltando ainda que uma queda mais expressiva dos juros no ano passado diminuiria consideravelmente a dívida pública.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.