Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Fed anuncia reestruturação de plano de resgate da AIG

No novo acordo, empréstimo original de US$ 85 bi fechado em setembro será reduzido para US$ 60 bi

Nathália Ferreira, da Agência Estado,

10 de novembro de 2008 | 10h21

O Federal Reserve e o Tesouro dos EUA anunciaram nesta segunda-feira, 10, a reestruturação do plano de resgate da seguradora American International Group (AIG), que passará a contar com duas novas linhas de financiamento para compra de ativos problemáticos, além de US$ 40 bilhões para comprar ações preferenciais da AIG. No novo acordo, o empréstimo original de US$ 85 bilhões fechado em setembro será reduzido para US$ 60 bilhões, mas o vencimento aumentará de dois para cinco anos e o juro pago será menor. Com as mudanças, a ajuda à seguradora chega a US$ 152,5 bilhões.  Veja também:Saiba os assuntos que serão discutidos no G-20 De olho nos sintomas da crise econômica  Lições de 29Como o mundo reage à crise  Entenda a disparada do dólar e seus efeitosEspecialistas dão dicas de como agir no meio da crise Dicionário da crise  O Tesouro irá comprar US$ 40 bilhões de ações preferenciais da AIG com recursos do Programa de Aquisição de Ativos Problemáticos (Tarp) de US$ 700 bilhões. É essa compra que permitirá a redução do valor do empréstimo fechado em 16 de setembro, disseram o Fed e o Tesouro em comunicado. O juro do empréstimo será reduzido de 8,5% mais a Libor de três meses para 3% mais a Libor e a tarifa sobre recursos não sacados cairá de 8,5% para 0,75%. O Fed autorizou ainda o Fed de Nova York a criar duas novas linhas de crédito "para aliviar o capital e as pressões de liquidez da AIG associadas a dois portfólios distintos de títulos relacionados a hipotecas", segundo o comunicado. Na primeira linha, o Fed de Nova York emprestará até US$ 22,5 bilhões para uma entidade de financiamento para compra de passivo (liability company) recém-formada, que comprará títulos lastreados em hipotecas residenciais da AIG do portfólio de títulos de empréstimos colaterais. A seguradora fará um empréstimo subordinado de US$ 1 bilhão para essa empresa e assumirá o risco pelos primeiros US$ 1 bilhão em quaisquer perdas desse portfólio.  Na segunda linha, o Fed de Nova York emprestará até US$ 30 bilhões para outra liability company, para financiar a compra de obrigações de dívida colateralizada (CDO, na sigla em inglês) nas quais a AIG subscreveu contratos CDS (proteção contra default). A AIG fará um empréstimo subordinado de US$ 5 bilhões para essa empresa e assumirá o risco dos primeiros US$ 5 bilhões em quaisquer perdas nesse portfólio. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
FedAIGcrise nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.