Fed corta juro em 0,75 ponto e balanço de bancos ajuda

O Federal Reserve cortounesta terça-feira a taxa de juro em 0,75 ponto percentual,dando fôlego aos mercados de Wall Street que já repercutiampositivamente os resultados acima do esperado de importantesbancos de investimentos. A ação do Fed, por 8 votos a 2, é parte de um intensoesforço do banco central para evitar uma recessão e o colapsodos mercados financeiros. O movimento do Fed levou a taxabásica de juro norte-americana a 2,25 por cento, menor níveldesde fevereiro de 2005. "Os mercados financeiros se mantêm sob considerávelestresse, e as condições apertadas do crédito e a queda maisforte no setor imobiliário devem pesar sobre o crescimentoeconômico nos próximos trimestres", apontou o Fed. Mesmo sendo menor que esperado por alguns analistas, ocorte ajudou a impulsionar as ações --que já subiam com osresultados de Goldman Sachs e Lehman Brothers . O Goldman Sachs, que em grande parte conseguiu evitarperdas relacionadas ao setor de hipotecas, afirmou que osresultados do primeiro trimestre caíram pela metade. Aindaassim, o resultado superou as expectativas. O Lehman Brothers, que teve as ações pressionadas nosúltimos dias com preocupações de que estaria mais vulnerávelassim como o Bear Stearns, anunciou queda na receita comoperações com bônus, mas se beneficiou da crescente receita desua divisão de fusões. PRONTO PARA AGIR Em comunicado, o Fed acrescentou que os riscos aocrescimento econômico permanecem mesmo com o corte da taxa dejuros, sugerindo uma abertura para novas reduções senecessário. Mas houve a primeira discordância dupla desde setembro de2002: duas autoridades do Fed preferiam uma ação menosagressiva. "O Fed mostrou que está focado em colocar a economia em péantes de mais nada, e eles irão se preocupar com a inflaçãodepois", disse K. Daniel Libby, gerente sênior de portfólio naSands Brothers Select Access Fund. A ação do Fed vem dois dias depois de o banco centralanunciar 30 bilhões de dólares em financiamento para facilitara venda do banco de investimento Bear Stearns, uma intervençãoincomun que autoridades do banco chamaram de necessária paraprevenir um efeito dominó no sistema financeiro. O acordo sobre o Bear Stearns foi o último em uma série demedidas emergenciais do Fed --algumas não eram usadas desde aGrande Depressão-- para assegurar que as instituiçõesfinanceiras tenham liquidez. O Fed acumula agora corte de 3 pontos percentuais no jurodesde meados de setembro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.