finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Fed derruba juros e anima mercados

O FED - banco central norte-americano decidiu hoje em reunião extraordinária cortar os juros básicos da economia norte americana em 0,50 ponto porcentual, para 6%. Alguns analistas especulavam sobre a possibilidade de que o FED reduzisse os juros após o resultado da sua última reunião, dia 19 de dezembro, quando as taxas ficaram inalteradas. Desde então, os temores de uma redução brusca no crescimento econômico por conta dos juros altos aumentaram, levando a quedas nas bolsas nos Estados Unidos. O anúncio de hoje provocou euforia nos mercados. Nos EUA, Dow Jones e Nasdaq dispararam. Às 17:19, a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - operava em alta de 10,55% e o Dow Jones em alta de 2,29%. Também no mercado doméstico, a Bovespa supera suas máximas a cada momento. Há pouco o Índice Bovespa chegava à máxima de 6,52%. O dólar comercial atingia queda de 0,51%, cotado na venda a R$ 1,9330. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - operavam pagando juros de 16,330% ao ano, frente a 16,720% ao ano ontem. No mercado doméstico, a alta da bolsa e o recuo do câmbio e dos juros tinham começado com a confirmação da melhora do rating do Brasil pela S&P (ver link abaixo), mas a decisão do Fed só fez ampliar o entusiasmo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.