Fed deve preparar terreno para saída gradual de estímulos, diz FMI

Fundo recomenda a manutenção de compras mensais de ativos pelo menos até o final de 2013

Altamiro Silva Júnior, correspondente da Agência Estado,

14 de junho de 2013 | 13h23

NOVA YORK - O Fundo Monetário Internacional (FMI) recomenda que Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) continue preparando terreno para uma saída gradual e ordenada de sua política monetária altamente acomodatícia. A manutenção das compras mensais de ativos no mercado financeiro em "larga escala" é apropriada pelo menos até o final de 2013, de acordo com os técnicos do Fundo. As recomendações fazem parte de um relatório divulgado nesta sexta-feira pelo FMI, avaliando a economia norte-americana.

O Fed não terá uma tarefa fácil pela frente, na medida em que a mudança de sua política terá efeitos em toda economia global. Uma comunicação eficiente da estratégia de saída desses estímulos monetários e uma calibragem cuidadosa do "timing" desta saída serão críticas para reduzir os riscos de aumentos súbitos e prolongados nos juros de longo prazo, além de minimizar os riscos de volatilidade excessiva nos juros à medida que a data de redução dos estímulos se aproxime, destaca o documento.

Entre os efeitos adversos para o resto do mundo, o relatório do FMI fala em reversão dos fluxos de capital dos países emergentes e maior volatilidade nos mercados financeiros internacionais. Efeitos que, se prolongados, podem pesar na recuperação econômica mundial. "Os mercados podem exagerar na reação aos passos iniciais do Fed em normalizar a política monetária", ressalta o FMI, apontando que o Fed tem ferramentas para minimizar estes impactos.

A política monetária do Fed se mostrou importante para apoiar a recuperação não só da economia norte-americana, como também da economia global, conclui o FMI. No geral, os benefícios superaram os custos. O desafio agora é o Fed preparar uma saída "suave" desse programa de estímulos, que inclui compras mensais de US$ 85 bilhões de ativos no mercado financeiro e taxa básica de juros próxima de zero.

Assim como a saída dessa estratégia terá desafios, a manutenção desse tipo de política monetária por um prazo muito longo também será problemática e terá riscos, alerta o FMI.

"Um longo período de juros excepcionalmente baixos pode ter potenciais consequências indesejadas para a estabilidade financeira doméstica e tem complicado o ambiente macroeconômico em alguns mercados emergentes", destaca o documento.

Tudo o que sabemos sobre:
fedfmi

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.