REUTERS/Joshua Roberts
REUTERS/Joshua Roberts

Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Fed está próximo de aumentar taxa de juros dos EUA, mas dúvidas permanecem

Membros do banco central americano acreditam que o aumento pode acontecer em breve se a economia continuar se fortalecendo

REUTERS, O Estado de S.Paulo

12 de outubro de 2016 | 17h36

WASHINGTON - Vários membros votantes formuladores de política do Federal Reserve (Fed) acreditam que um aumento da taxa de juros seria justificado "relativamente em breve" se a economia dos Estados Unidos continuar a se fortalecer, segundo a ata da reunião de setembro do banco central dos EUA, publicada nesta quarta-feira, 12.

A ata da reunião dos dias 20 e 21 de setembro, em que o Fed manteve as taxas estáveis, também mostrou o tamanho da divisão na instituição sobre o momento certo.

"Vários membros julgaram que seria apropriado aumentar o intervalo da meta para a taxa dos fundos federais em relativamente pouco tempo, se a evolução econômica se desdobrar como o esperado", disse o Fed na ata.

Dezessete integrantes participaram da reunião de política de setembro, sendo dez com direito a voto. No documento, os membros votantes e o grupo mais amplo estavam divididos sobre quanto tempo eles devem permitir que o mercado de trabalho e a inflação melhorem antes de aumentar as taxas.

A ata também disse que "foi notado que um argumento razoável poderia ser colocado tanto por um aumento nesta reunião ou à espera de alguma informação adicional sobre o mercado de trabalho e inflação".

Três membros votantes da comissão de fixação de taxas discordaram da declaração de política de setembro em favor de um aumento imediato, na primeira vez desde 2011 que muitos tomaram tais posições na mesma direção em uma única reunião.

Embora os formuladores de políticas do Fed discordem sobre se a taxa de inflação atual de 1,7 por cento é suficientemente próxima do seu objetivo de 2 por cento, muitos membros votantes observaram que "houve poucos sinais de pressões inflacionárias emergentes."

Desde a reunião, a presidente Janet Yellen e vários outros formuladores de políticas do Fed disseram esperar uma alta das taxas no final do ano, caso o mercado de trabalho e a inflação continuem a melhorar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.