Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Fed indica preocupação crescente com mercados

Dez dias antes de reduzir a taxa de redesconto, em 17 de agosto, os dirigentes do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) estavam suficientemente preocupados com a deterioração das condições dos mercados financeiros para estudar a possibilidade de reduzir a taxa dos Fed Funds. É o que diz a ata da reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto do Fed (Fomc) realizada em 7 de agosto."Uma deterioração adicional nas condições financeiras não pode ser descartada", diz a ata, acrescentando que isso "pode requerer uma resposta da política monetária", caso o crescimento da economia seja afetado. Mas, como a extensão da fragilidade dos mercados não era conhecida por ocasião da reunião do Fomc, os participantes consideraram que a inflação ainda era sua preocupação "predominante", embora tenham reconhecido que a debilidade do mercado de moradias "poderá ser mais profunda e prolongada" do que se previa.A decisão de não alterar a taxa básica de juros (Fed Funds), de 5,25% ao ano, pela nona vez consecutiva foi tomada por unanimidade, assim como a manutenção do viés antiinflação. A ata do Fomc diz que os gastos dos consumidores deveriam continuar a crescer a um ritmo "moderado", enquanto os investimentos das empresas "seriam apoiados por fundamentos sólidos". O documento acrescenta que o crescimento econômico forte fora dos EUA também contribuiria para que a expansão da economia norte-americana prosseguisse, apesar das condições do mercado de moradias.A ata de agosto põe em destaque o dilema vivido pelos dirigentes do Fed; eles reconheceram que as condições mais "apertadas" dos mercados financeiros afetariam a economia. Isso foi levado em conta na redução da projeção do crescimento do PIB dos EUA em 2007 e 2008 pelos técnicos do Fed; eles também rebaixaram suas projeções para o crescimento da produtividade, indicando que mesmo que a economia se desacelere, isso poderão não pressionar muito a inflação para baixo.Segundo a ata, os dados do núcleo da inflação (que exclui os preços de energia e alimentos) eram "favoráveis", mas os participantes da reunião advertiram que isso era, em parte, resultante de fatores "transitórios" - e, portanto, esses dados "não forneciam evidência confiável de que os níveis recentes seriam sustentados". Por causa disso, e diante de uma desvalorização do dólar, de um alto nível da utilização dos recursos e de um crescimento mais lento da produtividade da mão-de-obra, a inflação continuou a ser a preocupação "predominante" dos dirigentes do Fed.A ata da teleconferência do dia 16 de agosto, na qual foi tomada a decisão de reduzir a taxa de redesconto em 50 pontos-base, para 5,75% ao ano, será divulgada somente no começo de outubro, junto com a ata da próxima reunião do Fomc, marcada para 18 de setembro. A íntegra da ata da reunião de 7 de agosto em inglês está disponível em http://federalreserve.gov/fomc/minutes/20070807.htm. As informações são da Dow Jones.

RENATO MARTINS, Agencia Estado

28 de agosto de 2007 | 15h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.