Fed mantém juro americano entre zero e 0,25%

Comunicado do BC norte-americano afirma que recessão econômica nos EUA está arrefecendo

Agência Estado, Dow Jones e Reuters,

24 de junho de 2009 | 15h21

O Federal Reserve manteve inalterada sua política monetária nesta quarta-feira, 24, e disse que a recessão econômica norte-americana está arrefecendo, sinalizando que suas preocupações com uma possível espiral de queda nos preços está diminuindo.

 

Concluindo dois dias de reunião, o banco central decidiu manter a taxa de juros entre zero e 0,25% - nível alcançado em dezembro - e repetiu que os juros provavelmente permanecerão baixos por algum tempo.

 

 

 

 

 

Veja também:

linkDecisão do Fed não surpreende, mas mercados pioram

linkVeja a íntegra do comunicado do Federal Reserve sobre juros

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

 

"A informação recebida desde que o Fomc se reuniu em abril indica que o ritmo de contração econômica está diminuindo", disse o comunicado oficial divulgado após a reunião. "As condições nos mercados financeiros melhoraram de maneira geral nos últimos meses".

 

Com a taxa de empréstimo bancário virtualmente em zero, o Fed tem procurado reduzir outros custos de financiamento ao comprar dívidas de hipotecas e títulos do Tesouro dos Estados Unidos.

 

A autoridade monetária reiterou planos de comprar um total de US$ 1,25 trilhão em ativos lastreados em hipotecas de agências e de até US$ 200 bilhões em dívidas de agências até o final do ano. Como anunciado anteriormente, o Fed planeja comprar até US$ 300 bilhões em Treasuries até o outono (no hemisfério norte).

 

"Os preços da energia e de outras commodities vêm subindo recentemente. Entretanto, a folga substancial de recursos deverá limitar as pressões de custos, e o Fomc espera que a inflação seguirá contida por algum tempo." O comunicado deste mês eliminou as referências anteriores ao risco de que a inflação possa persistir abaixo das taxas desejadas, numa indicação de que o Fed não vê a deflação como um risco.

 

Ainda assim, o Fomc enfrenta uma série de novos desafios à medida que a economia lentamente sai da crise. Em vez de lançar novos programas emergenciais e de afrouxar ainda mais a política monetária, o foco da autoridade deve se voltar para as estratégias de saída.

 

No início deste mês, o presidente do Fed, Ben Bernanke, disse esperar um crescimento econômico para este ano, mas a expansão não deverá ser robusta. Ele também disse que o BC dos EUA vai remover a política de afrouxamento na hora e na velocidade certas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.