Fed provoca fuga do dólar e risco de desvalorização competitiva

Comunicado do Fed sugerindo mais afrouxamento quantitativo para combater a deflação lança questões sobre o que outros bancos centrais vão fazer

Regina Cardeal, da Agência Estado,

21 de setembro de 2010 | 17h45

O dólar foi o grande perdedor depois da divulgação da decisão do Fed esta tarde. O comunicado do banco central dos EUA levou os investidores a venderem dólares e comprarem moedas de rendimento mais alto, nas chamadas operações de carry trade, segundo analistas.

De acordo com a Dow Jones, o comunicado do Fed sugerindo mais afrouxamento quantitativo para combater a deflação foi anunciado num momento delicado para os mercados globais de câmbio e lança questões sobre o que outros bancos centrais vão fazer. O dólar se enfraqueceu após a divulgação, mas não é isso o que bancos centrais do Brasil ao Japão querem ver. Há uma mudança significativa em direção a mais intervenções no câmbio no mundo no momento. Qualquer coisa que o Fed faça para enfraquecer o dólar aumenta o risco de uma rodada autodestrutiva de desvalorizações competitivas, afirma a agência.

O comunicado abriu a porta para compras em larga escala de títulos do Tesouro norte-americano, o que impulsionou, pelo menos momentaneamente, os preços dos Treasuries e também as ações. A decisão do Fed deverá significar mais estímulo para o sistema bancário, o que favorece o apetite por ativos de risco, disseram os analistas.

O Fed afirmou em seu comunicado que "as medidas de inflação subjacente estão atualmente em níveis algo abaixo daqueles que o comitê julga mais consistente, no longo prazo, com seu mandato para promover emprego máximo e estabilidade de preço." O Fed disse também que "vai continuar a monitorar a perspectiva econômica e os desenvolvimentos financeiros e está preparado para fornecer acomodação adicional se necessário para sustentar a recuperação econômica e levar a inflação de volta aos níveis consistentes com seu mandato".

A fuga dos investidores do dólar pode, de fato, tornar o trabalho do Fed mais fácil, porque um dólar mais fraco pode simultaneamente elevar a inflação e o crescimento. "O comunicado do Fed no que se refere à política de curto prazo implica que o dólar pode se depreciar", disse Steve Blitz, do Majestic Research. "Isto serve para o duplo propósito de importar alguma inflação e, mais importante, a depreciação ajuda a reequilibrar o déficit comercial e dá ao país uma fonte de crescimento além dos setores de moradia e consumo em geral", afirmou Blitz.

A declaração do Fed de que quer levar a inflação de volta a níveis consistentes com seu mandato chamou a atenção de Kathy Lien, do GFT Forex. "Não tínhamos visto linguagem como esta referente a mandato (do Fed) neste ciclo", disse Lien. "É uma linguagem muito dura e pode ser tomada como justificativa para agir (com mais afrouxamento quantitativo)." A compra de ativos pelo Fed pode estimular a economia e o dólar pode cair mais em relação ao iene, talvez cedendo a 84 ienes, mas não está claro qual o efeito no longo prazo do uso da desvalorização como estratégia de crescimento, acrescentou.

"O afrouxamento quantitativo é muito positivo para as ações e os bônus uma vez que parece claramente que o Fed está adotando as medidas adequadas para impulsionar a economia", disse Tom di Galoma, da Guggenheim Partners. "O Fed vai evitar a deflação ao fazer isso agora", acrescentou. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.