Fed reduz dois programas de empréstimos de emergência

BC dos EUA quer reduzir gradualmente os programas como resposta aos sinais de recuperação da economia

Efe,

24 de setembro de 2009 | 16h45

Um dia após anunciar a desaceleração no ritmo das aquisições de títulos hipotecários, o Federal Reserve (Fed, banco central americano) disse nesta quinta-feira, 24, que vai reduzir dois programas de empréstimos de curto prazo aos bancos, que forneciam fundos de emergência.

 

"As mudanças respondem à intenção do Fed de reduzir gradualmente os programas como resposta ao contínuo melhoramento nas condições dos mercados financeiros", detalhou o banco em comunicado.

 

Os cortes afetam à Facilidade de Leilão a Termo (TAF, na sigla em inglês) e o Plano de Empréstimos de Títulos a Termo (TSLF, sigla em inglês), dois dos numerosos programas iniciados ao final de 2007 para enfrentar a crise financeira.

 

Por meio de diversos mecanismos, o Fed injetou trilhões de dólares na economia americana, incluído a aquisição de títulos respaldados por hipotecas, a compra de bônus do Tesouro e a compra ou garantias de letras de câmbio comerciais.

 

Segundo o anúncio desta quinta-feira, "o montante de alguns empréstimos do programa TAF será reduzido em cerca de US$ 25 bilhões, comparado com os US$ 75 bilhões nas operações mais recentes, e os US$ 150 bilhões oferecidos durante os piores períodos da crise do crédito".

 

As operações com vencimentos de 28 dias, já programadas até janeiro, continuarão sendo de US$ 75 bilhões para acomodar possíveis pressões no final do ano, acrescentou o comunicado.

 

As ofertas no programa TSLF, com prazo de 84 dias, serão reduzidas a US$ 50 bilhões em outubro e US$ 25 bilhões em novembro e dezembro.

 

Na quarta-feira, o Comitê de Mercado Aberto da Reserva Federal, que dirige a política monetária dos Estados Unidos, decidiu manter a taxa de juros praticamente em zero e, em vista da recuperação na situação econômica, anunciou maior lentidão na compra de títulos respaldados por hipotecas.

 

"As condições nos mercados financeiros melhoraram e a atividade no setor da habitação aumentou", segundo o comunicado publicado ao término da reunião na qual o presidente do Fed, Ben Bernanke, e seus nove colegas aprovaram por unanimidade as novas medidas.

 

O Comitê informou que reduzirá gradualmente o ritmo de suas compras de títulos respaldados por hipotecas e bônus de agências.

 

O programa que previa uma despesa de US$ 1,45 trilhão devia ser encerrado em dezembro, mas o Comitê declarou que o estenderá até o primeiro trimestre de 2010.

 

Até agora, o Federal Reserve usou US$ 862 bilhões dos US$ 1,25 trilhão atribuídos à compra de títulos respaldados por hipotecas, e US$ 129,2 bilhões do programa de US$ 200 milhões para a aquisição de bônus de agências.

 

Como anunciado, as compras de US$ 300 bilhões em bônus do Tesouro serão concluídas no final de outubro próximo.

Tudo o que sabemos sobre:
Fedcriseempréstimos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.