Jonathan Ernst/Reuters
Jonathan Ernst/Reuters

Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

BC dos Estados Unidos reduz estimativa do PIB em 2015

Previsões de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos para este ano foram reajustadas para entre 1,8% e 2,0%, ante projeção entre 2,3% e 2,7% divulgada em março

Agência Estado

17 de junho de 2015 | 16h40

O Federal Reserve (Fed, banco central norte-americano) reduziu nesta qurarta-feira as previsões de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos para este ano para entre 1,8% e 2,0%, ante projeção entre 2,3% e 2,7% divulgada em março.

Para 2016, a economia do país deve crescer entre 2,4% e 2,7%, ante estimativa de março, entre 2,3% e 2,7%, enquanto que a previsão de expansão para 2017 passou para entre 2,1% e 2,5%, contra entre 2,0% e 2,4% em março. Para o longo prazo, a taxa média de crescimento passou de 2,0% para 2,3%.

Segundo a comunicado do Fed, o corte nas estimativas de crescimento do PIB não foi nenhuma surpresa, uma vez que no primeiro trimestre o país registrou queda de 0,7% e os dados referentes ao segundo trimestre levantaram dúvidas se realmente a atividade econômica está se recuperando. 

Atualmente há um debate entre os dirigentes do Fed em relação à fraqueza da economia, se é devida ao inverno rigoroso ou se realmente há questões mais profundas.

Em relação ao emprego, as autoridades do Fed esperam progresso nos postos de trabalho. Eles acreditam que a taxa de desemprego, que atualmente está em 5,5%, recue para entre 5,2% e 5,3% no quarto trimestre, levemente acima da projeção de março, entre 5,0% e 5,2%. 

Em 2016, a taxa de desemprego deverá ficar entre 4,9% e 5,1%, em linha com a projeção de março. Já em 2017, a taxa deverá ficar entre 4,9% e 5,1%, ante entre 4,8% e 5,1% em março. A estimativa da taxa de desemprego no longo prazo permaneceu entre 5,0% e 5,2%. 

O Fed prevê agora inflação entre 0,6% e 0,8% em 2015, a mesma projeção divulgada em março. Para 2016, a última estimativa é de entre 1,6% e 1,9% de inflação, quando anteriormente ficou entre 1,7% e 1,9%, e para 2017 ela foi projetada entre 1,9% e 2,0%, igual à de março. 

Para 2015, a previsão do núcleo da inflação seguiu inalterada entre 1,3% e 1,4%. Em 2016, o núcleo deve ficar entre 1,6% e 1,9%, ante estimativa de março entre 1,5% e 1,9%. Já em 2017, a taxa deverá ficar entre 1,9% e 2,0%, contra projeção entre 1,8% e 2,0% em março.

Visão otimista. O comunicado do Federal Reserve apontou uma visão mais otimista sobre o crescimento da economia americana no comunicado da reunião encerrada hoje que no do encontro de abril.

No documento, a autoridade monetária destaca que a economia do país se expandiu moderadamente após estagnação no primeiro trimestre, abandonando a percepção de desaceleração apresentada em abril. O texto ainda ressalta um maior ritmo na geração de empregos e redução na subutilização do trabalho.

Além disso, o aumento nos gastos das famílias, que em abril era visto em desaceleração, passou a ser considerado moderado.

O Fed ainda acrescentou que houve melhora no setor imobiliário, embora os investimentos das empresas e as exportações continuem fracos. Os preços de energia, comentou a instituição, parecem ter se estabilizado.

Juro. No documento divulgado nesta quarta-feira, o Fed sinalizou nesta quarta-feira que está se movendo em direção a aumentos das taxas de juros nos próximos meses, já que os sinais de um mergulho na atividade econômica no início do ano estão diminuindo. O caminho de aumento da taxa, no entanto, pode ser menos acentuado do que o previsto pelos dirigentes.

Nas previsões sobre suas perspectivas de taxa de juro, 15 dos 17 dirigentes disseram que esperam o começo da elevação das taxas de juros no curto prazo antes do final de 2015. As projeções sugerem que dirigentes estão gravitando em direção a um aumento de um ou dois quartos de ponto porcentual da taxa de juros até dezembro. Os outros dois dirigentes apostam em uma subida dos juros só em 2016.

A última vez que o Fed apresentou suas projeções, em abril, o consenso parecia ser de dois aumento da taxa de juros este ano. As autoridades do Fed também reduziram para baixo suas projeções de taxas em 2016 e 2017.

A decisão de manter a taxa dos Fed Funds entre 0% e 0,25% foi unânime nesta quarta-feira. / COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS


Tudo o que sabemos sobre:
FEDEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.