Fed reduz taxa de empréstimo entre bancos para 3,25%

Medida emergencial foi anunciada para aliviar a crise de crédito dos Estados Unidos e evitar turbulência

Agências internacionais,

16 de março de 2008 | 22h34

O Federal Reserve (Fed, banco central dos Estados Unidos) anunciou neste domingo, 16, que cortou com efeito imediato, a taxa de redesconto (taxa praticada nos empréstimo entre bancos) em 0,25 ponto percentual, até 3,25%, dentro de uma série de medidas adotadas para aliviar a crise de créditos do país, que ameaça empurrar a economia norte-americana em uma recessão.   VEJA TAMBÉM  Entenda a crise nos Estados Unidos   O sobe e desce do dólar  Veja os efeitos da desvalorização do dólar JPMorgan e Fed intervêm para socorrer seguradora dos EUA     O Fed também aprovou uma medida para os grandes bancos de investimento a fim de garantir os empréstimos a curto prazo, que entrará em vigor a partir de segunda-feira, informou a instituição americana em comunicado. Esta ferramenta permanecerá em vigor durante pelo menos seis meses. O Fed ampliou, além disso, o leque de possibilidades de garantias para os empréstimos, cujo período máximo de devolução foi estendido de 30 a 90 dias. As iniciativas do Federal Reserve pretendem "aumentar a liquidez do mercado e promover o funcionamento ordenado do mercado", assinalou o banco central americano. "Ter liquidez e os mercados funcionando bem são fatores essenciais para impulsionar o crescimento econômico", acrescentou a instituição no comunicado.    A taxa de redesconto, que passou de 3,5% para 3,25%, é aquela com que o Fed cobra seus empréstimos aos bancos. O secretário do Tesouro, Henry Paulson, que esta tarde assegurou que a administração "está preparada para fazer o que for necessário para manter a estabilidade do sistema financeiro americano", se mostrou satisfeito com a decisão do Fed. "Sexta-feira disse que os atores do mercado (financeiro) estão enfrentando desafios e estou encantado com a recente evolução. Aprecio as ações adicionais tomadas esta noite pelo Federal Reserve para melhorar a estabilidade, a liquidez e o ordenamento de nossos mercados", disse à imprensa americana. A política cada vez mais agressiva do Fed se desenvolve em um cenário no qual um crescente número de economistas acredita que a grave crise de crédito desembocou na primeira recessão dos EUA desde 2001. As medidas deste domingo também chegam dois dias antes de o Federal Reserve se reunir para analisar a situação econômica do país e suas políticas monetárias. Os analistas e investidores esperam que o Fed decida outro rebaixamento da taxa básica de juros da economia. Os contratos de futuros antecipavam na sexta-feira que a redução será de 75 pontos básicos, para 2,25%, embora alguns economistas acreditem que haverá um corte de um ponto percentual. Um dia antes, o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, se reunirá com reguladores e altos cargos da área de economia do Governo, entreeles Paulson e o presidente do Fed, Ben Bernanke, para avaliar também o panorama econômico e as medidas que podem ser tomadas para evitar a recessão.

Tudo o que sabemos sobre:
crise nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.