R$ 1,57 bi

E-Investidor: Tesouro Direto atrai mais jovens e bate recorde de captação

Fed retoma política de compra de Treasuries

O Federal Reserve tomou mais um passo significativo nesta quarta-feira para reduzir as taxas de juros mais longas e reanimar os mercados de crédito, ao decidir imprimir dinheiro para comprar títulos da dívida do governo pela primeira vez em quatro décadas.

NICK OLIVARI E RAL, REUTERS

18 de março de 2009 | 17h54

O Fed também informou que vai expandir as compras de dívidas ligadas a hipotecas, em uma tentativa de reduzir as taxas de hipotecas de casas.

O banco central norte-americano já exauriu seu principal instrumento de política monetária ao cortar o juro básico para a faixa de zero a 0,25 por cento em dezembro. Muitos já acreditavam que em breve o Fed seguiria a estratégia adotada por Japão e Grã-Bretanha de injetar dinheiro diretamente no sistema financeiro.

"Este é um movimento bem dramático... Eles estão tentando reduzir todas as taxas ao consumidor", disse James Caron, chefe de pesquisa do Morgan Stanley, em Nova York.

Em uma decisão surpreendente, o Fed disse que vai comprar até 300 bilhões de dólares em Treasuries mais longos nos próximos seis meses e expandir um programa já existente de compra de ativos relacionados a hipotecas em até 850 bilhões de dólares, para 1,45 trilhão de dólares este ano.

MUNDO DE FRAQUEZAS

Mais cedo, o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Jean-Claude Trichet, disse que a instituição está pronta para tomar medidas adicionais para enfrentar a crise global, apesar de ter sugerido que uma recuperação pode estar se avizinhando. Os dados econômicos continuam fracos.

A Grã-Bretanha registrou em fevereiro desemprego de mais de 2 milhões de pessoas pela primeira vez desde 1997.

Nos Estados Unidos, o déficit em conta corrente no quarto trimestre do ano passado diminuiu mais que o esperado, para 132,8 bilhões de dólares, o menor desde 2003, em um reflexo da queda do comércio pelo mundo.

O Banco do Japão aumentou as compras anuais de bônus do governo em 29 por cento, para o recorde de 219 bilhões de dólares.

Tudo o que sabemos sobre:
FEDCONSOLIDA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.