Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Fed revê para baixo crescimento dos EUA em 2008

Banco Central dos EUA prevê também aumento do desemprego no próximo ano.

Bruno Garcez, BBC

20 de novembro de 2007 | 22h45

O Federal Reserve, ou Fed, como é conhecido o Banco Central americano, divulgou nesta terça-feira que espera um crescimento econômico de 1,8% a 2,5% em 2008 - inferior ao que havia projetado anteriormente.Em junho, a projeção do banco era de crescimento na faixa de 2,5% a 2,75% para o ano que vem. O órgão também previu um aumento do desemprego para 2008. A estimativa do Fed é de que, com a desaceleração, ''a taxa de desemprego irá aumentar moderadamente em 2008, se estabilizar em 2009 e cair ligeiramente em 2010''. Para o ano que vem, o Fed estima que o número de americanos sem emprego oscile entre 4,8% e 4,9%. Uma cifra ligeiramente acima da projeção feita pelo órgão em junho, de que o índice seria de 4,75%. Os dados constam das projeções trimestrais que começaram a ser divulgadas nesta terça-feira pelo órgão. Anteriormente, a praxe do Fed era de lançar dados semestrais sobre o estado da economia americana. De acordo com o Fed, a revisão do crescimento se deu por uma série de fatores, entre eles, a redução da oferta de empréstimos hipotecários do tipo subprime (de alto risco), o aumento dos preços do petróleo e o desempenho do setor imobiliário inferior ao esperado.A atual crise na economia americana foi gerada, em boa parte, pela profusão de empréstimos do tipo subprime, que levaram a uma elevada inadimplência no país.Segundo estimativas de analistas financeiros os prejuízos gerados por esse tipo de empréstimo podem ficar na faixa de US$ 400 bilhões.As estimativas do Fed para a inflação em 2008 também excederam ligeiramente projeções anteriores. A inflação, avaliada por meio de despesas com consumo excluindo itens como alimentos e energia, deverá oscilar entre 1,7% e 1,9%. As projeções anteriores eram de 1,75% e 2%. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.