Fed sabia dos problemas sobre exatidão da Libor

Documentos divulgados pelo banco central dos Estados Unidos mostram os esforços feitos em 2008 para pressionar reformas na taxa de juros interbancária de Londres

Danielle Chaves, da Agência Estado,

13 de julho de 2012 | 13h46

NOVA YORK - O Federal Reserve de Nova York afirmou que documentos divulgados nesta sexta-feira, 13, em seu site oficial mostram que as autoridades sabiam sobre os problemas com a exatidão da taxa de empréstimos interbancários Libor no fim de 2007. A instituição destacou que o banco britânico Barclays reconheceu que estava reduzindo artificialmente suas estimativas sobre o custo dos empréstimos.

A divulgação dos documentos foi feita em resposta ao pedido do deputado republicano Randy Neugebauer, do Texas, que é presidente do Comitê de Serviços Financeiros para Supervisão e Investigação. Em um comunicado, o Fed de Nova York disse que os documentos divulgados mostram "os esforços em 2008 para destacar os problemas com a Libor e pressionar por reformas" e a preocupação dos membros do banco central com a Libor no começo da crise financeira, no outono de 2007.

"Sugestões de que alguns bancos poderiam estar apresentando números mais baixos para a Libor com o objetivo de evitar parecer fracos foram mostrados em relatórios e e-mails distribuídos em massa, incluindo do Barclays, bem como em um telefonema de dezembro de 2007 com o Barclays observando que as taxas apresentadas pareciam fantasiosamente baixas", disse o Fed de Nova York no comunicado.

Em abril de 2008 o Fed de Nova York contactou o Barclays sobre o caso. "O funcionário do Barclays explicou que o banco estava apresentando números mais baixos para sua taxa para evitar o estigma associado com o fato de estar isolado em relação a suas cotações para a Libor", disse o Fed de Nova York. Segundo a instituição, os representantes do Barclays não ganhavam vantagem com a apresentação da informação incorreta e o Barclays acreditava que outros bancos também informavam taxas mais baixas.

Segundo o Fed de Nova York, as preocupações com a Libor foram comunicadas ao comitê do Fed e ao Tesouro dos Estados Unidos em abril de 2008 e as autoridades trabalharam para resolver os problemas em abril e maio daquele ano. O Fed de Nova York teria ajudado a identificar problemas e informado para o Banco da Inglaterra (BOE).

A taxa Libor é baseada em informações que os bancos apresentam à Associação dos Banqueiros Britânicos e a taxa é uma referência para o sistema financeiro global, atuando como diretriz para os custos de vários ativos, incluindo hipotecas nos EUA. As cotações da taxa Libor de 2005 a 2009 estão agora sob suspeita e há críticas de que os órgãos reguladores, como o Fed, não fizeram o suficiente para tratar do problema.

Outros bancos também estão sendo investigados e o Congresso dos Estados Unidos lançou sua própria investigação. O deputado Neugebauer afirmou estar satisfeito com a reposta "rápida e transparente" do Fed de Nova York. "Cerca de US$ 800 trilhões em produtos financeiros são ligados à Libor, então qualquer manipulação nessa taxa é uma preocupação séria", disse. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
FedEstados UnidosLibor

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.