FED sustenta otimismo nos mercados

A decisão de ontem de reduzir os juros norte-americanos em meio ponto porcentual não surpreendeu os mercados. Mesmo assim, foi uma sinalização importante de que o FED - banco central dos EUA - está determinado em evitar uma recessão no país, apesar do forte desaquecimento da economia. Analistas apontam que apesar de já ter realizado dois cortes no mês de janeiro, derrubando os juros básicos de 6,5% para 5,5% ao ano, as sinalizações do órgão indicam que pode haver nova redução antes mesmo da sua próxima reunião mensal, marcada para 20 de fevereiro.No Brasil, os investidores comemoram a decisão do FED, a qual dá ainda mais argumentos para o Comitê de Política Monetária (Copom) reduzir os juros internos. A economia está crescendo com inflação em queda e disciplina do governo nas contas públicas, o que por si só já permite uma redução nas taxas. Como o cenário internacional está estável e há indícios de que o governo norte-americano está fazendo o que pode para evitar uma recessão, espera-se uma nova redução da Selic, a taxa básica referencial da economia, na próxima reunião do Copom, em 14 de fevereiro. A movimentação nos mercados, porém, não deve ser grande, já que a conjuntura atual está dentro das expectativas. O que pode influenciar os investidores é o leilão de licitação da banda C do Sistema Móvel Pessoal (SMP), marcado para o dia 6 de fevereiro. Hoje serão conhecidas as empresas concorrentes e entre os dias 16 e 19 de fevereiro deverão ser assinados os termos de autorização para a operação do SMP.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.