Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Fed tem pouco poder para emprestar a Estados, diz Bernanke

Segundo presidente do BC dos EUA, governos locais se dariam melhor conversando com Congresso e Tesouro

Nathália Ferreira, da Agência Estado,

10 de dezembro de 2008 | 16h18

As mãos do banco central estão legalmente atadas quando se trata de ajudar diretamente os Estados e municípios dos EUA a superar os desafios financeiros, disse o presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, em carta enviada recentemente ao deputado Paul Kanjorski e obtida pela Dow Jones. "O Federal Reserve Act dá ao Federal Reserve habilidade limitada para comprar diretamente as dívidas dos Estados e municípios", afirmou Bernanke. "Além disso, o Federal Reserve normalmente tem pouca ou nenhuma autoridade para emprestar diretamente para um governo estatal ou municipal."   Veja também: Desemprego, a terceira fase da crise financeira global Dicionário da crise  Lições de 29 Como o mundo reage à crise     Isso posto, os governos locais se dariam melhor conversando com autoridades do Congresso e do Departamento do Tesouro sobre maneiras de obter ajuda direta, disse Bernanke. Ele listou subvenções, empréstimos e garantias federais como possíveis opções.   Bernanke enviou a carta para Kanjorski, presidente do subcomitê de serviços financeiros da Câmara, em outubro, como resposta a uma carta do congressista sobre as dificuldades de obtenção de empréstimo dos municípios. Como a carta não havia sido divulgada até esta semana, provavelmente representa os comentários mais atuais e detalhados do Fed desde que as autoridades estatais e de municípios começaram os pedidos recentes de ajuda às autoridades federais para lidar com as restrições financeiras.   Na carta de 28 de outubro, Bernanke disse entender que os Estados enfrentam dificuldades financeiras significativas durante essa crise de crédito sem precedentes, mas os limites autorizados para o Fed pelo Federal Reserve Act são por um bom motivo. Segundo ele, o Congresso estabeleceu limites para proteger a independência do banco central, bem como a habilidade dos municípios de assumir responsabilidades sem estarem sujeitos a uma supervisão a nível nacional.   Em uma carta separada do Departamento do Tesouro a Kanjorski, no dia 10 de novembro, o departamento também sinalizou que não deve oferecer recursos diretamente aos governos locais. O secretário-assistente do Tesouro para Questões Legislativas, Kevin Fromer, escreveu que atacar os desafios do mercado de crédito é a melhor maneira de aliviar os problemas que os municípios enfrentam.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.