Fed vê recuperação da economia em ritmo mais lento

As autoridades do Federal Reserve (Fed, banco central americano) revisaram em baixa as projeções para a economia dos EUA, mas os detalhes das estimativas, com as revisões dos indicadores econômicos, serão divulgados às 15h (de Brasília), quinze minutos antes da entrevista do presidente da instituição, Ben Bernanke.

CYNTHIA DECLOEDT, Agencia Estado

22 de junho de 2011 | 14h08

Segundo o comunicado do Fed, a recuperação continua em ritmo moderado, embora "de modo mais lento" do que o previamente esperado. O comunicado diz ainda que os indicadores sobre o mercado de trabalho têm sido mais fracos do que o antecipado, em comparação com o encontro de abril.

Embora o Fed esteja menos confortável em relação as perspectivas econômicas, tem espaço menor para tomar novas medidas, uma vez que a inflação subjacente está subindo.

Mas, mesmo sem criar um novo estímulo, o Fed manteve sua política monetária em condição altamente acomodatícia. Como era esperado, o Fed disse que irá manter seu vasto portfólio de US$ 2,832 trilhões de ativos e empréstimos. Como parte dessa estratégia, está reinvestindo os rendimentos dos bônus que vencem em títulos do Tesouro. O Fed também reiterou planos para manter as taxas de juro próximas a zero por um "período prolongado".

"O Fomc está firmemente esperando por mais informações", disse o economista chefe do MF Global em Nova York, Jim O''Sullivan.

Uma série de indicadores econômicos desfavoráveis convenceram muitas autoridades do Fed da necessidade de manter a política altamente acomodatícia, até que possam ter segurança de que discrepâncias no crescimento e na inflação são realmente temporárias, como estimam.

As autoridades do Fed têm atribuído algumas distorções a fatores temporários como elevação dos preços da gasolina e problemas na cadeia de abastecimento causados pelo terremoto e tsunami no Japão em março. Eles esperam que a economia tome impulso novamente no segundo semestre, ajudando o mercado de trabalho a se recuperar lentamente e também preveem desaceleração da inflação, à medida que os preços das commodities recuem.

"A inflação subiu recentemente, mas o (Fed) antecipa que a inflação irá cair, assim que o efeito de elevação anterior dos preços da energia e outras commodities se dissipar", disse o Fed. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
juroFedBernankepreços

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.