Federação participa de protesto de produtores rurais em MT

A Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato) participa nesta quarta-feira da mobilização dos produtores rurais no eixo da BR 163, entre Nova Mutum e Sinop, e na BR 174, em Comodoro, a 656 quilômetros de Cuiabá. As três cidades pertencem ao Estado do Mato Grosso. Segundo a Famato, em Comodoro, no entroncamento das BRs 163 e 174, o tráfego está paralisado desde as 7 horas. Por volta das 11 horas, os produtores rurais distribuíram 2,5 mil litros de leite para moradores carentes próximo da rodovia. Em nota distribuída à imprensa, a entidade diz que cerca de 150 caminhões que vinham de Rondônia já estavam parados e as empresas de ônibus estão fazendo a baldeação dos passageiros que seguem para municípios de Mato Grosso. No município de Lucas do Rio Verde, a mobilização também começou cedo e os manifestantes queimaram uma colheitadeira para protestar contra a política econômica do governo. Indignação Segundo o presidente do sindicato de Lucas, Helmut Augusto Lawisch, os produtores estão indignados com a falta de renda da agricultura. "A política econômica imposta está revoltando os produtores. A perda de patrimônio é grande e o governo anuncia lucros recordes da Petrobras. Isso está acontecendo às custas do campo", criticou. Os produtores apontam que o óleo diesel é um dos principais responsáveis pelos altos custos de produção. Lawisch acredita que mais de 1.500 pessoas aderiram o movimento na cidade. "O comércio em Lucas fechou as portas hoje em solidariedade a mobilização", explicou. Segundo os manifestantes, na noite de ontem, 25 de abril, uma fila de mais de 12 quilômetros já havia sido formada por caminhões carregados por produtos agrícolas em Nova Mutum. Lawisch também informou que a coordenação do movimento "O Grito do Ipiranga" orientou os produtores rurais a trancarem as saídas dos armazéns com máquinas. Cerca de oito municípios integram o movimento que está bloqueando a BR 163. Bloqueio parcial Em Sorriso e Sinop o movimento entrou no terceiro dia consecutivo. O bloqueio nestes municípios tem sido parcial, restrito só para caminhões carregados com a safra agrícola e insumos. Entretanto, o manifesto deve ser intensificado à tarde em Sorriso, com a interrupção geral no tráfego deve ser geral. Hoje, o comércio, prefeitura, repartições públicas de Sorriso (campeão brasileiro em produção de soja) estão fechados em solidariedade aos produtores. Em Nova Mutum (240 quilômetros da Capital) os produtores estão mobilizados desde o início da manhã. A classe conta com o apoio do comércio local que deve fechar as portas em solidariedade ao movimento já que a agropecuária e a base da economia Em Tangará da Serra, a MT 358 foi interditada nesta quarta pelos produtores rurais. Segundo Antônio Guzatti, do sindicato rural local, cerca de cem pessoas estão na rodovia impedindo o fluxo de produtos agrícolas. "O nosso manifesto conta com o apoio da Associação comercial da cidade", explicou. Para Guzatti, o movimento vai mostrar à sociedade os problemas que vêm ocorrendo no campo. Os produtores rurais de Ipiranga do Norte, que fizeram as primeiras, seguem em uma caravana de mais de 200 pessoas para aderir ao movimento em Sorriso. Para o produtor José Nilton Mafra, o manifesto deve ter efeitos positivos. "Estamos criando motivos para termos resultados concretos em Brasília", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.