Federal Reserve concorda em reduzir proteção ao crédito dentro do TALF

Conhecido como Talf, o Programa de Crédito a Termo de Títulos Lastreados em Ativos foi implementado em março de 2009 a fim de injetar liquidez no frágil sistema financeiro

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

20 de julho de 2010 | 11h46

O Federal Reserve (Fed, banco central americano) concordou em reduzir a proteção oferecida para o Programa de Crédito a Termo de Títulos Lastreados em Ativos (Talf, na sigla em inglês) sob o Programa de Alívio para Ativos Problemáticos (Tarp, na sigla em inglês). O Fed anunciou que concordou com o Departamento do Tesouro que era apropriado reduzir de US$ 20 bilhões para US$ 4,3 bilhões a proteção de crédito oferecida para o TALF.

O programa, implementado em março de 2009 a fim de injetar liquidez no frágil sistema financeiro, foi encerrado no mês passado. O Fed tinha autorizado até US$ 200 bilhões em empréstimos do TALF, mas quando o programa terminou no dia 30 de junho, havia US$ 43 bilhões em empréstimos em andamento.

Dentro do programa, o Fed de Nova York ampliou os empréstimos para investidores em títulos lastreados em ativos (ABS, em inglês) altamente recomendados e em ativos lastreados em hipotecas comerciais (CMBS, em inglês). "O TALF foi projetado para aumentar a disponibilidade de crédito e apoio à atividade econômica, por meio do estímulo à emissão de ABS e de CMBS", afirmou o Fed.

O programa prorrogou US$ 70 bilhões em empréstimos, mas muitos deles foram pagos antecipadamente.

As eventuais perdas no TALF serão primeiro absorvidas pelo excesso acumulado dos pagamentos de juros dos empréstimos do programa sobre o custo dos fundos do Fed e, em seguida, pelos fundos do TARP. Até agora, o programa TALF não sofreu nenhum prejuízo e todos os empréstimos pendentes do programa estão bem garantidos. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.