Jonathan Ernst/ Reuters
Jonathan Ernst/ Reuters

Fed eleva os juros nos EUA pela 1ª vez desde 2018 e aponta para mais 6 altas para conter a inflação

Com os aumentos esperados, a taxa de juros básica pode chegar a 2% ao ano no fim de 2022; nesta quarta, Fed subiu os juros em 0,25 ponto para a faixa entre 0,25% e 0,5%

Aline Bronzati e Ricardo Leopoldo, O Estado de S.Paulo

16 de março de 2022 | 15h47

O Federal Reserve (Fed, o banco central americano) elevou os juros básicos dos Estados Unidos, os Fed Funds, pela primeira vez desde 2018, como esperado, mas sinalizou uma postura agressiva para controlar a inflação elevada no país, agravada pela guerra na Ucrânia

Para economistas, o Fed adotou um tom mais duro sobre a intenção de elevar os juros, mas a surpresa veio da sinalização de mais seis aumentos neste ano, indicando um futuro “muito mais severo” à frente. O Fed também surpreendeu ao anunciar que começará a reduzir o balanço de ativos de US$ 8,44 trilhões em sua próxima reunião, agendada para maio.

No encontro mais esperado do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, em inglês), o Fed elevou os juros dos Estados Unidos em 0,25 ponto porcentual, para a faixa entre 0,25% e 0,50% ao ano. Com mais seis elevações previstas, a taxa dos Fed funds encerraria o ano, ao menos, na casa dos 2,00%.

"A alta de juro de 0,25 ponto porcentual adotada hoje foi apropriada. O Fed começará a baixar o balanço de ativos no próximo encontro. A inflação continua bem acima da meta de 2% de longo prazo", justificou o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, em coletiva de imprensa na sequência da decisão do Fed.

Demonstrando uma postura mais dura para controlar a inflação, ele afirmou que a autoridade monetária vai subir os juros mais rapidamente, se for necessário. "Vamos agir de forma expressiva para conter a inflação e não permitir que fique enraizada na economia", afirmou.

Para a estrategista global da Principal Global Investors, Seema Shah, o Fed conseguiu surpreender mesmo na reunião mais esperada do FOMC, indicando sete elevações de juros neste ano. "Com a inflação já quase quadruplicando sua meta, o Fed reconhece claramente a necessidade de voltar à frente da situação inflacionária", disse, em comentário ao Estadão/Broadcast.

Efeito para a economia

Embora alguns investidores possam estar preocupados quanto à capacidade da economia dos Estados Unidos em absorver sete aumentos de juros, segundo ela, a taxa dos Fed funds vão retornar ao patamar pré-pandemia, com a diferença de que a inflação hoje é três vezes maior. Powell também tentou acalmá-los. Segundo ele, o mercado de trabalho nos EUA "pode lidar" com a alta de juros, especialmente porque está bem aquecido.

"Esperamos que as pessoas voltem ao mercado de trabalho na medida que suas vidas voltem ao normal em relação à covid", disse o presidente do Fed.

Apesar disso, os dirigentes estão, segundo ele, "atentos a novas pressões de alta da inflação". Para Powell, a probabilidade de recessão no próximo ano no país "não é particularmente elevada", sobretudo porque a economia doméstica está forte, com um apertado mercado de trabalho. "A menor projeção do Fed para o PIB de 2022, que baixou de 4,0% para 2,8%, está também relacionada com a desaceleração da Europa que ocorrerá devido à guerra na Ucrânia", explicou.

O Fed também divulgou hoje novas projeções para a inflação dos Estados Unidos em 2022. Passou de 2,6% na divulgação em dezembro para 4,3% hoje. Para 2023, a projeção subiu de 2,3% para 2,7%. Já a projeção dos juros dos Fed Funds em 2022, foi de 0,9% para 1,9%.

O canadense CIBC chamou a atenção quanto à mensagem "muito mais severa" do Fed do que está por vir. "Para pegar emprestado de Mario Draghi, o Fed está essencialmente se comprometendo a fazer o que for necessário para que o índice de preços dos Estados Unidos (PCE, na sigla em inglês) volte à sua previsão de 2,7% no fim de 2023 (permitindo que ultrapasse nesse período) e 2,3% um ano depois", escreveu o economista do banco, Avery Shenfeld, retomando citação famosa de quando Draghi, hoje premiê da Itália, estava na presidência do Banco Central Europeu (BCE).

Para a britânica Capital Economics, as novas projeções econômicas do Fed reforçam a preocupação com a inflação elevada nos Estados Unidos. "Não vemos razão para o Fed não seguir seus planos e, agora, igualmente, antecipar que a taxa dos Fed Funds terminará este ano entre 1,75% a 2,00% e no próximo, de 2,75% a 3,00%", escreveu o economista-chefe da consultoria para os Estados Unidos, Paul Ashworth.

Além disso, o Fed sinalizou que começará a baixar o balanço de ativos no próximo encontro, que acontece entre os dias 3 e 4 de maio. A ata da reunião da autoridade monetária, encerrada hoje, segundo Powell, deve delinear com detalhes essa discussão. Para Ashworth, da Capital Economics, isso sugere que o aperto quantitativo (QT, na sigla em inglês) pode começar um pouco antes do meio do ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.