REUTERS/Larry Downing
REUTERS/Larry Downing

Federal Reserve expressa incerteza quanto ao rumo dos juros nos Estados Unidos

Preocupação dos mercados com a economia global foi o principal fator para a mudança no rumo dos negócios, na avaliação dos dirigentes do banco central dos EUA

Victor Rezende e Francine De Lorenzo, O Estado de S.Paulo

09 Janeiro 2019 | 18h01

Os dirigentes do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) apontaram maior incerteza quanto ao futuro da política monetária nos Estados Unidos na reunião de dezembro do Comitê Federal de Mercado Aberto (FOMC, na sigla em inglês), indicou a ata do encontro, divulgada nesta quarta-feira. "Os membros concordaram que o momento e o tamanho dos futuros ajustes na taxa de juros dependeriam de sua avaliação das condições econômicas realizadas e esperadas em relação aos objetivos máximos de emprego e de inflação", indicou o documento.

A ata relata que os dirigentes reiteraram que a avaliação mais cautelosa levaria em conta uma ampla gama de informações, incluindo medidas de condições do mercado de trabalho, indicadores de pressão inflacionária e expectativas de inflação, e leituras sobre os desenvolvimentos financeiros e internacionais. Os formuladores de políticas do Fed ainda notaram um contraste entre a força dos dados recebidos pelo FOMC e preocupações dos mercados, além de registrarem um estreitamento das condições financeiras com a queda do preço das ações e avaliaram que poderiam ser pacientes ao definir a política da instituição.

A preocupação dos mercados com a economia global foi o principal fator para a mudança no rumo dos negócios, na avaliação dos dirigentes do Fed. Eles notaram, ainda, que há mais preocupações das empresas com a economia global e indicaram que é importante avaliar os riscos antes de novas mudanças nas taxas de juros. De acordo com a ata, os riscos estão balanceados, mas houve um crescimento dos riscos negativos à economia.

Vários dirigentes observaram, também, uma contínua fraqueza no mercado imobiliário, mas enfatizaram que o investimento fixo das empresas permaneceu sólido, apesar de uma desaceleração, e que as condições do mercado de trabalho permaneceram fortes, enquanto houve uma melhora na participação da força de trabalho nos EUA.

Ainda no documento, o Fed notou que, fora dos EUA, o crescimento econômico continuou em ritmo moderado no terceiro trimestre de 2018, enquanto a recuperação dos emergentes compensou a desaceleração nas economias avançadas, cuja fraqueza refletiu fatores temporários, na avaliação dos dirigentes. De acordo com a ata, a recuperação econômica no Brasil e no México balanceou o desaquecimento na China e na Índia, enquanto os dados do quarto trimestre mostraram consistência com a moderação da economia fora dos EUA.

No entanto, alguns dirigentes apontaram que o maior aperto nas condições financeiras não restringiu a atividade real, mas notaram que os riscos podem reduzir as estimativas para a atividade e para a inflação. Nesse sentido, dirigentes expressaram preocupação de que as expectativas inflacionárias continuariam baixas enquanto a economia continua evoluindo em linha com a previsão. No cenário de maior incerteza, a ata da reunião do FOMC de dezembro apontou que os dirigentes observaram que a política do Fed não está em um curso predefinido, enquanto a equipe de economistas do banco central destacou que o setor privado revisou para baixo as projeções de lucro para 2019, enquanto as empresas se mostraram preocupadas com as tarifas comerciais. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.