Toussaint Kluiters/Reuters
Toussaint Kluiters/Reuters

FedEx compra TNT para crescer na Europa

Ao pagar 4,4 bilhões de euros pela rival holandesa de entregas, companhiaamericana chegará à vice-liderança no continente, atrás apenas da DHL

O Estado de S.Paulo

08 Abril 2015 | 02h04

A americana FedEx anunciou ontem a compra da empresa de entrega de pacotes holandesa TNT Express por 4,4 bilhões de euros (US$ 4,8 bilhões). De acordo com analistas do mercado de entregas, tratava-se da última grande possibilidade de fusão ou aquisição na área. A UPS, líder no mercado americano, havia tentado comprar a TNT há dois anos, mas o acordo não se concretizou. O negócio entre FedEx e TNT depende da aprovação de órgãos de regulação para ser concretizado.

Com o movimento, a FedEx ganha também fôlego na Europa, onde assumiria a vice-liderança, atrás somente da DHL - que pertence ao Deutsche Post (correio alemão). Enquanto os clientes da FedEx ganham com a estrutura da TNT na Europa, a TNT passa a ter acesso à estrutura da FedEx nos EUA. A FedEx ofereceu 8 euros por ação ordinária da TNT. A oferta está 33% acima do último preço de fechamento da ação da companhia holandesa, embora abaixo da oferta da UPS em 2013 de 9,50 euros por ação. O acordo foi barrado porque, à época, os reguladores da União Europeia acreditaram que, unidas, UPS e TNT teriam um domínio muito grande do setor no continente. Neste caso, segundo o site americano Business Insider, ter presença discreta na Europa funcionou a favor da FedEx. A UPS, aponta o site, não teria interesse em fazer uma nova proposta pela TNT e deverá optar por uma expansão orgânica na Europa.

Os papéis da TNT registraram alta de quase 30% ontem, caminhando na direção do preço oferecido da FedEx. "A FedEx propôs um preço atraente", disse um analista do ABN Amro Bank, que recomendou a "manutenção" das ações da TNT. "Como a FedEx sempre foi a predadora mais provável da TNT Express, vemos chances pequenas de aparecer uma oferta concorrente", acrescentou o banco.

O conselho de administração da TNT Express recomendou, por unanimidade, que os acionistas aceitem a proposta da rival americana. O maior acionista da companhia, o PostNL (correio holandês), afirmou que votará a favor. O correio tem 14,7% das ações da empresa.

Aquisições pelo mundo. A americana FedEx vem desenvolvendo uma estratégia global de aquisições, que também teve um "capítulo" brasileiro. Em maio de 2012, a empresa adquiriu a companhia de entregas pernambucana Rapidão Cometa. Na época, o tamanho da empresa no Brasil foi multiplicado da noite para o dia: a companhia passou de 5 para mais de 50 filiais de distribuição no País ao incorporar a estrutura da Rapidão Cometa. O total de funcionários passou de cerca de 500 para quase 10 mil. O faturamento da Rapidão Cometa, no momento da aquisição, girava em torno de R$ 1 bilhão.

A TNT Express, que agora será incorporada à FedEx, também recorreu a aquisições locais para crescer no Brasil: a companhia holandesa comprou, em 2007, a gaúcha Mercúrio. / Agências internacionais

Mais conteúdo sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.