Feijão sobe 9,21% em 30 dias e preço do tomate despenca, aponta Fipe

Leite longa vida ficou 3,41% mais caro; dados analisados são da 3.ª prévia de maio do IPC

Maria Regina Silva, da Agência Estado,

27 de maio de 2013 | 14h43

SÃO PAULO - Se o preço do tomate está em queda constante, o do feijão não para de subir. Em 30 dias terminados em 23 de maio, o alimento ficou 9,21% mais caro. Os dados foram calculados pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), com base na terceira prévia do mês do Índice de Preços ao Consumidor (IPC).

De acordo com Rafael Costa Lima, coordenador do IPC, o feijão é a principal contribuição de alta do índice, com 0,04 ponto porcentual.

"É bom lembrar que o produto vem subindo bastante nos últimos dois anos", diz Costa Lima. "Não dá para saber até quando o aumento vai perdurar, mas na ponta (pesquisas semanais) ainda continua subindo."

Analisando o mesmo intervalo de tempo, o arroz, outro item importante na alimentação do brasileiro, também apresenta alta - embora bem inferior à do feijão -, de 0,32%.

O leite longa vida, 3,41% mais caro, aparece como o segundo item que mais contribuiu com o IPC da terceira quadrissemana, com 0,03 ponto. Em terceiro, está perfume/colônia, com alta de 7,76% (0,02 ponto).

O tomate, vilão da inflação nos dias seguintes à Semana Santa, caiu 18,09% em 30 dias e responde negativamente por 0,07 ponto porcentual no resultado dessa última medição do IPC.

O primeiro item da lista de maiores contribuições negativas, contudo, foi a energia elétrica. Cedeu 2,39%. O segundo foi a carne de frango, com recuo de 7,78% e contribuição negativa de 0,07 ponto porcentual.

"As principais altas não somam nem 0,09 ponto de contribuição. As quedas estão mais concentradas. É sinal de que não tem nenhuma grande pressão de alta, pelo menos dos produtos de maior peso", disse Costa Lima.

Alta do transporte. Para o especialista, o cenário é bom para a inflação. No entanto, deverá ser "bagunçado" pelo aumento na passagem de ônibus.

Os recuos registrados em energia elétrica, tomate e frango, diz ele, tiveram contribuição negativa de 0,22 ponto porcentual no IPC da terceira medição do mês.O

O reajuste de 6,67% nas tarifas de tarifas de transporte coletivo na capital paulista, a partir de 1.º junho, deve ter impacto de 0,28 ponto porcentual na inflação dos paulistanos. Só a elevação na tarifa de ônibus puxaria o IPC para cima em 0,19 ponto porcentual no final de junho - indica a Fipe.

 

Tudo o que sabemos sobre:
feijaoinflacaotomatefipe

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.