Feijoó volta da Alemanha sem definir reação a cortes na VW

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, José Feijoó, retornou hoje da Alemanha, onde participou da reunião do Comitê Mundial dos Trabalhadores da Volkswagen. "Nestes três dias, o problema dos países afetados foi colocado em pauta. Os companheiros que ficaram na Alemanha vão discutir de que maneira poderemos reagir", disse.Nenhuma reação ao anúncio de reestruturação da Volkswagen foi definido, mas Feijoó acredita que os países traçarão um objetivo em comum: preservar os postos de trabalho. "Com um objetivo, cada um faz ações à sua maneira. Se pudermos fazer ações em comum, melhor ainda." No dia 15, o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC vai ao México se reunir com lideres sindicais de outros países. "O objetivo agora é organizar a luta."As possibilidades de uma greve mundial ainda é sonho, mas, segundo ele, "é um sonho que gostaria de ver realizado".No Brasil, Feijoó reforçou que a greve é iminente. "A chance de ela acontecer é de 99,99%, só não digo a data para ninguém estragar". Na semana que vem haverá uma passeata com os 499 funcionários do Centro de Formação e Estudo da Volkswagen e seus familiares. Segundo informações do sindicato, estes funcionários teriam sido confirmados pela empresa como integrantes da lista de demitidos.Este texto foi alterado às 18h52, com correção sobre informações da empresa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.