Feliz Natal? Sim, Feliz Natal

É Natal, é dia de paz, é dia para ser feliz. Nada de notícias desagradáveis que perturbem a nossa festa familiar. Nada dos números sombrios que povoam a coluna desde outubro. Mas será mesmo possível ficar tranqüilo com a recessão que fustiga o mundo? Sim. É só olhar para o que ocorre lá fora e o que ocorre aqui, no Brasil. Nos Estados Unidos, na Europa, no Japão, na Rússia, na Finlândia, em todo o Leste Eurpeu, tudo vai mal. Economias entram em recessão, o comércio entre os países definha, o desemprego aumenta de forma assustadora. Ninguém confia em ninguém porque ninguém sabe o que vai acontecer num futuro que já está aí. Aqui, sem dúvida alguma, o quadro é outro. E vejam bem que nem usei o advérbio "ainda", que geralmente levanta restrições. Sim, estamos indo até bem em meio à tempestade que pressagia furacões selvagens que arrasam as economias mais sólidas. Quem afirma isso, agora, não é mais o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, sempre otimista, ou seus ministros, mas o Banco Central. Sim, o Banco Central realista que conseguiu manter-se isento na onda de afirmações e desmentidos sobre a invulnerabilidade da economia nacional. Ele foi sempre muito severo, sempre disse e agiu como tinha de agir, não mentiu nem uma vez. Pelo contrário, desdisse a todos no governo que, com suas previsões ligeiras, incluindo as do Lula, classificavam como marola as ondas gigantescas que se formavam lá fora. E agora desdiz, mais uma vez, ao prever um crescimento menor do que o governo projeta para 2009. Sempre pediu, pregou e agiu com realismo. Pois é, o Banco Central que está dizendo agora que nossa economia será afetada, sim, vai crescer menos, mas está conseguindo reagir bem. Nós e a China. Ninguém mais. Nós podemos crescer 2,3%, ao contrário do que afirma o governo, mas os outros beiram crescimento zero. O relatório do último trimestre do Banco Central não chega a ser otimista, mas afasta qualquer pessimismo prematuro. Não foi um ano festivo, mas não foi também trágico. Tivemos três trimestres bons e estamos tendo um quarto apenas regular. É isso o que dizem os técnicos do Banco Central. 2,2 MILHÕES DE EMPREGOS Afinal, foram criados no País, 2,2 milhões de empregos até novembro, enquanto nos Estados Unidos estão perdendo quase 2 milhões. Aqui, foram fechadas 40 mil vagas em novembro. Nos Estados Unidos, foram 550 mil só em um mês.O mercado interno lá e na Europa recua há meses jogando a economia na recessão. Aqui, ainda está aquecido. Sei que comparações como essa não adiantam muito, mas revelam que temos, neste momento, uma economia mais resistente. Tudo indica que vamos ser menos feridos pela crise que se alastra mundo afora, mas podemos evitar a recessão. ESPÍRITO DE NATAL? NÃO Talvez o leitor mais crítico possa achar que estou contaminado pelo espírito de Natal, que vejo tudo sob o olhar das estrelas que iluminam o presépio de Jesus. Sei que encontram, nas entrelinhas, algumas contradições com colunas anteriores, mas estou sendo sincero com vocês. Nosso Natal será um Natal mais feliz se compararmos com outros que o mundo está vivendo, imerso no desemprego crescente, na recessão. Posso afirmar que está sendo um bom Natal. Há sombras que se aproximam, mas estamos preparados para que não escureçam tanto nosso futuro. Pode parecer pouco, mas é muito. FELIZ NATAL, LEITOR AMIGO! Por isso, leitor, estou tranqüilo ao dizer que há riscos sim, mas estamos bem, muito mesmo se pensarmos como poderíamos estar, se nada tivesse sido feito. Não vou dizer que estamos bem porque poderíamos estar pior. Não, não. Estamos bem porque você, leitor, vem sustentando a demanda interna, e você, empresário, investe menos, mas não deixou de investir. Há cautela, sim, mas há confiança também em que, juntos, vamos superar o que pode vir. Confiança em que poderemos enfrentar esta crise e nos sairmos bem. Por isso, leitor amigo e fiel, que tem me acompanhado nestes 15 anos de coluna pelos caminhos de Londres, Paris, Genebra, Bruxelas, estou tranqüilo ao desejar a você e à sua familia,muita paz e alegria neste Natal em que se renovam a fé e a esperança no nosso futuro, no futuro do Brasil. Seja Feliz , meu amigo. Muito feliz. *E-mail: at@attglobal.net

Alberto Tamer, O Estadao de S.Paulo

24 Dezembro 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.