Femsa lamenta fechamento de escritório na Venezuela

O consórcio mexicano Coca-Cola Femsa, principal engarrafador de Coca-Cola na América Latina, lamentou neste sábado, 10, a decisão das autoridades tributárias venezuelanas de ordenar o fechamento temporário de seus escritórios no país, mas afirmou que acatará a ordem.O Serviço Nacional Integrado de Administração Aduaneira e Tributária (Seniat) da Venezuela informou no sábado que ordenou o fechamento, durante três dias, dos escritórios e centros de distribuição da Coca-Cola Femsa e "de outros contribuintes especiais". O motivo foi a detecção de "descumprimentos em seus livros de compra e venda do Imposto ao Valor Agregado (IVA)"."Acatamos esta lamentável decisão e reiteramos nosso compromisso de gerar valor para toda a comunidade venezuelana, assim como de servir a todos os clientes e consumidores com produtos da mais alta qualidade", disse a empresa mexicana.Além disso, a Femsa afirmou que as engarrafadoras vão funcionar normalmente e que só "fecharão durante 48 horas os escritórios administrativos e os centros de distribuição".As operações no país começaram em maio de 2003 e "desde então cumprem as obrigações fiscais em estrito respeito à lei", segundo a empresa.O consórcio Fomento Econômico Mexicano (Femsa), controlador de Coca-Cola Femsa, nasceu em 1890 como Cervejaria Cuauhtémoc e atualmente é a principal engarrafadora de Coca-Cola na América Latina.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.